CORREÇÃO-Lenovo está "aberta" à compra de rivais no Brasil

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009 08:37 BRST
 

(Corrige nome no terceiro parágrafo de Yuanqing Ying para Yang Yuanqing, no texto publicado em 10 de dezembro)

SÃO PAULO, 11 de dezembro (Reuters) - A chinesa Lenovo, quarta maior fabricante mundial de computadores, está "aberta" para comprar concorrentes no Brasil, se o preço for correto. O objetivo da empresa é triplicar sua fatia de mercado até 2014, afirmaram os dois principais executivos da companhia nesta quinta-feira.

A empresa teve negociações no ano passado com a Positivo Informática, maior fabricante brasileira de PCs, mas encerrou o processo antes do início de 2009 afirmando que uma aquisição naquele momento não era possível e depois que a fabricante brasileira rejeitou oferta feita pela chinesa.

O presidente-executivo, Yang Yuanqing, disse que a melhor forma da Lenovo crescer na América Latina é se expandir no Brasil, que concentra 42 por cento do mercado de computadores da região. Ele espera que o Brasil se torne o terceiro maior mercado de computadores nos próximos cinco anos, atrás da China e dos Estados Unidos.

"Estamos sempre prontos para encontrar a empresa certa", disse ele. "Mas o preço (de uma eventual aquisição) deve ser apropriado para nossos acionistas."

O vice-presidente de operações, Rory Read, disse à Reuters durante o evento que a empresa sempre está "em conversas com outras empresas" sobre uma possível associação, mas que uma aquisição só ocorrerá se o preço cumprir metas da Lenovo. Read não mencionou nomes dos possíveis alvos.

As ações da Positivo subiam pelo quarto dia seguido na Bovespa, exibindo valorização de 4,34 por cento, a 21,88 reais, às 14h56. A oferta da Lenovo pela Positivo foi de 18 reais por ação.

Os rivais globais da Lenovo enfrentam queda na demanda conforme a economia mundial enfrenta a recessão e as empresas reduzem os gastos em tecnologia.

Comprar fábricas ou aumentar a capacidade de produção não é tão importante quanto ganhar escala, segundo o presidente-executivo da Lenovo, acrescentando que a empresa está mais focada em construir uma forte relação com os fornecedores, distribuidores e fabricantes de componentes no Brasil.

A empresa preferiu não comentar sobre os planos de investimento para os próximos anos. Sob o modelo de crescimento orgânico, tanto Lenovo como seus parceiros precisam investir conjuntamente para expandir o alcance da marca no Brasil.

(Reportagem de Guillermo Parra-Bernal)