Executivo do eBay avisou Craigslist de que Whitman era "monstro"

terça-feira, 15 de dezembro de 2009 10:47 BRST
 

Por Tom Hals

WILMINGTON, Estados Unidos, 15 de dezembro (Reuters) - O presidente-executivo do Craigslist afirmou em um tribunal que um executivo do eBay, que é acionista minoritário em sua empresa, o alertou de que deveria melhorar seu relacionamento com a então presidente-executiva do site de leilões, Meg Whitman, porque quando frustrada ela podia se tornar "um monstro".

Jim Buckmaster, do Craigslist, testemunhou que o negociador do eBay, Garrett Price, o havia alertado em mensagem de email que o Craigslist estava "perturbando" Whitman, sete meses depois que a companhia de leilões online se tornou acionista do site de classificados.

"Ele disse que precisava me informar de que existiam duas Meg Whitman. Nós havíamos sido apresentados e chegado a um acordo com a Meg boazinha. Mas havia outra Meg, a Meg maligna, e era melhor que soubéssemos que ela podia agir como um monstro quando ficava zangada e frustrada", afirmou Buckmaster a um tribunal em Georgetown, Delaware.

Price posteriormente negou essas alegações.

"O depoimento de Jim Buckmaster sobre comentários que supostamente fiz sobre Meg Whitman foi falso e mal intencionado", afirmou ele em comunicado.

O eBay abriu processo contra o Craigslist porque deseja restaurar sua participação acionária, que o Craigslist diluiu a 24,85 por cento, para os 28,4 por cento originais e com isso seu posto no conselho da companhia, da qual se tornou acionista em 2004.

Durante uma semana de depoimentos no tribunal, os executivos de duas das mais conhecidas empresas de Internet testemunharam sobre uma série de tropeços e traições que resultaram na deterioração do relacionamento entre elas.

Uma decisão sobre o caso pode ser tomada em janeiro.

O eBay afirmou que, em 2007, depois de ter lançado o serviço de classificados Kijiji nos Estados Unidos, um mercado em que o Craigslist é dominante, Buckmaster criou um "plano de coerção" para diluir sua participação acionária e privá-lo de seu assento no conselho do Craigslist.

Já o Craigslist está processando o rival em San Francisco, sob a alegação de que este usava seu posto no conselho para obter informações confidenciais sobre o negócio de classificados online.