Lucro e previsões da RIM superam estimativas

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009 08:37 BRST
 

Por Susan Taylor

OTTAWA, 18 de dezembro (Reuters) - A Research In Motion (RIM), fabricante do Blackberry, registrou forte alta em seu lucro e apresentou perspectivas ainda melhores na quinta-feira, com a forte demanda de fim de ano ajudando a empresa a defender-se da concorrência.

Deixando para trás os temores de que a Apple e outras empresas rivais estariam ganhando seu mercado, a maior empresa de tecnologia do Canadá disse que distribuiu um recorde de 10 milhões de telefones inteligentes (smartphones), fazendo suas ações de 12,1 por cento após o fechamento.

Os resultados não somente ficaram acima das expectativas para o terceiro trimestre, mas a previsão para o atual trimestre facilmente superou as estimativas da maioria dos analistas.

O analista Tero Kuittinen da MKM Partners disse que as perspectivas de vendas são um sinal de que a RIM está penetrando com sucesso no mercado ao consumidor.

"Essa é uma grande surpresa positiva, porque as pessoas ficaram muito céticas sobre o trimestre de fevereiro", disse ele.

A RIM está em um esforço agressivo no mercado em uma tentativa de impulsionar o crescimento e diversificar sua base de clientes para além do segmento corporativo, que usa o BlackBerry como ferramenta para serviços de e-mail. Ao mesmo tempo, a empresa enfrenta concorrência do iPhone da Apple e do Droid da Motorola.

Para o terceiro trimestre encerrado em novembro, a RIM diz que o lucro subiu para 628,4 milhões de dólares, ou 1,10 dólar por ação, contra 396,3 milhões de dólares um ano antes. A receita subiu 41 por cento, para 3,92 bilhões de dólares.

A empresa espera lucros entre 4,2 bilhões e 4,4 bilhões de dólares, ou de 1,23 a 1,31 dólar por ação.

 
<p>Uma pessoa posa usando o Blackberry Bold 2 da Research in Motion (RIM) em Waterloo. A Research In Motion (RIM), fabricante do Blackberry, registrou forte alta em seu lucro e apresentou perspectivas ainda melhores na quinta-feira, com a forte demanda de fim de ano ajudando a empresa a defender-se da concorr&ecirc;ncia.16/11/2009.REUTERS/Mark Blinch</p>