Natal pode estimular comércio eletrônico via celular na Europa

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 12:21 BRST
 

Por Georgina Prodhan

LONDRES (Reuters) - Neste Natal, os consumidores europeus estão descobrindo novos usos para os celulares, com a superação das barreiras que impediam seu uso comercial em massa, especialmente pelo iPhone, da Apple.

Uma série de novos serviços que oferecem cupons de desconto via celular, comparam preços de estabelecimentos em uma mesma área ou conduzem consumidores a lojas online estão se tornando fáceis de localizar e usar, e oferecem atrativos tanto para os varejistas quanto para os consumidores.

A Amazon.com criou um novo serviço em sua loja para celulares, que permite a usuários do iPhone enviar a ela uma foto de qualquer objeto, ao qual o serviço responde com um link para o produto mais próximo de que disponha para venda, e opções de compra imediata do produto ou inclusão em uma cesta de compras para posterior arremate via computador.

A crescente sofisticação dos celulares fotográficos e do software de leitura de imagens significa que muito pode ser feito agora sem necessidade de recorrer a hardware dispendioso para permitir o uso de tecnologias específicas, um dos fatores que prejudicava uma adoção mais ampla no passado.

Sistemas como o de comunicações de campo em curto alcance, sob o qual celulares podem ser acenados diante de leitoras eletrônicas de preços para executar transações, ou códigos de barra bidimensionais que podem ser enviados a celulares e usados, por exemplo, como passes de embarque em aeroportos, requeriam leitoras e software especiais.

A tecnologia de códigos de barra bidimensionais ganhou uso amplo em alguns mercados, especialmente o Japão, mas analistas e profissionais do setor argumentam que aqueles que ainda não investiram nesse tipo de tecnologia ainda não têm agora motivos fortes para fazê-lo.

"Os códigos de barra vêm da época em que scanners não eram capazes de ler uma imagem", disse o presidente do conselho da mBlox, a principal rede de transações móveis, Andrew Bud. Sua empresa cuida da conexão entre cobrança e entrega de serviços móveis em todo o mundo.

 
<p>Franceses passam por vitrine decorada para o Natal, em Nice. REUTERS/Eric Gaillard(FRANCE - Tags: BUSINESS)</p>