ENTREVISTA-GVT terá crescimento de 20% a 30% nos próximos anos

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010 16:02 BRST
 

Por Cesar Bianconi e Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - A GVT seguirá crescendo a uma taxa anual de 20 a 30 por cento pelo menos nos próximos dois a três anos, afirmou à Reuters nesta quinta-feira o presidente-executivo da Vivendi, controladora da empresa brasileira, Jean Bernard Levy.

No terceiro trimestre de 2009, dado mais recente disponível, o número de assinantes, a receita e a geração de caixa da GVT cresceram nessa faixa percentual, em relação ao mesmo intervalo de 2008.

Em entrevista exclusiva, Levy --que acumula o posto de chairman da GVT-- disse ainda que a companhia brasileira poderá ampliar o plano de investimento em 2010 de 850 milhões de reais, aprovado pelo Conselho nesta semana, para acelerar o crescimento.

Conforme o executivo, o Conselho da GVT voltará a se debruçar sobre os investimentos programados em março ou abril. "Estamos pensando, mas ainda não tomamos uma decisão (sobre acelerar os investimentos da GVT)", comentou.

Depois de uma intensa batalha com a espanhola Telefónica pela GVT, a Vivendi anunciou em novembro do ano passado ter assegurado a compra de uma participação majoritária na empresa-alvo. O grupo francês informou na quarta-feira que alcançou fatia de quase 86 por cento no capital da GVT.

De acordo com Levy, o objetivo número um da Vivendi com a GVT é ter sucesso nos negócios principais da companhia --em telefonia fixa e Internet rápida a clientes residenciais e corporativos.

O executivo destacou que há grande oportunidade no mercado de TV paga no Brasil, por ser um serviço de penetração ainda baixa quando comparado ao de outros países. "Estamos ativamente olhando para essa oportunidade", destacou. "O plano hoje seria irmos 'greenfield' em TV por assinatura."

Já o setor de telefonia móvel é visto com cautela, diante da existência de quatro grandes empresas estabelecidas e um mercado que estaria mais perto da saturação. "Não coloco isso (telefonia móvel) no topo da agenda."   Continuação...