Facebook remove anúncios da Microsoft de sua página

sábado, 6 de fevereiro de 2010 16:01 BRST
 

Por Alexei Oreskovic

SAN FRANCISCO (Reuters) - O Facebook está retomando o controle do setor de anúncios na maior rede social do mundo, voltando atrás em um acordo de exclusividade com a Microsoft para controlar metade do negócio.

No entanto, a Microsoft --fornecedora exclusiva dos serviços de busca do Facebook-- continuará a vender anúncios baseados em buscas de texto no site, uma vez que o acordo foi prorrogado para além de 2011, antigo prazo do acordo. Um porta-voz do Facebook não quis divulgar o novo prazo.

A Microsoft também afirmou que irá ampliar a integração de seu site de buscas, Bing, com o Facebook, ao mesmo tempo expandindo seu alcance para além dos Estados Unidos.

O Facebook, rede social com quase 400 milhões de usuários, disse que seu serviço de anúncios conta com funções interativas para serem dirigidos ao consumidor de acordo com suas informações pessoais, tornando-os mais apropriados para redes sociais que o serviço de banners da Microsoft.

"Formatos de publicidade que contam com ações sociais têm um melhor desempenho e são uma melhor experiência para o usuário uma vez que são mais consistentes com o ambiente do Facebook", disse a empresa em comunicado.

"Essa combinação de 'targeting' e relevância social é o fator mais importante dessa mudança de estratégia".

O Facebook afirmou que deixou de exibir banners da Microsoft recentemente em alguns mercados de fora dos EUA e, após negociações com a Microsoft, chegou a um acordo para remover todos os banners do Facebook. A mudança deve ocorrer ao longo dos próximos 30 dias.

O Facebook já vendia anúncios nas páginas de perfil de usuários por conta própria há tempos, além de em outras partes do site, mas a empresa permitia que a Microsoft vendesse banners em certas partes do site desde 2006. O acordo, que foi ampliado em 2007, deveria ser mantido até 2011.

Um porta-voz do Facebook não quis dar detalhes sobre se o acordo de publicidade com a Microsoft incluía qualquer acordo de divisão de receita, ou se o Facebook pagaria uma taxa por ter alterado o acordo antecipadamente.