Facebook remove 30 páginas após assédio de prisioneiros

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010 16:01 BRST
 

LONDRES, 11 de fevereiro - O Facebook concordou em remover 30 páginas do seu site depois que prisioneiros usaram as mesmas para insultar suas vítimas, afirmou nesta quinta-feira o ministro da Justiça britânico, Jack Straw.

Straw se reuniu com representantes do Facebook e do regulador de comunicações Ofcom, além de membros das famílias das vítimas, para discutir o acesso de prisioneiros a redes sociais na Internet.

"O abuso no uso de redes sociais por prisioneiros é ofensivo à decência e à moral pública", disse Straw, em comunicado.

"Estou bastante preocupado com a situação difícil que o abuso desses sites causa a famílias que perderam alguém próximo por assassinato, por exemplo."

A ação conta com relatórios de diversos casos em que prisioneiros utilizaram telefones celulares roubados para postar mensagens ameaçadoras em redes sociais na Internet.

Os visitantes a todos os presídios da Inglaterra e do País de Gales são escaneados para que sejam detectados telefones celulares.

Straw disse que o progresso em lidar com o assédio às vítimas foi encorajador, e que outras formas de impedir esse tipo de abuso vêm sendo estudadas, o que inclui a imposição de condições para o acesso a sites de relacionamento depois que os prisioneiros são soltos.

(Por Kylie MacLellan)