Relatório da ONU vê explosão de lixo eletrônico em 2020

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010 10:56 BRT
 

Por Sunanda Creagh

NUSA DUA, Indonésia (Reuters) - Os resíduos gerados por produtos eletrônicos descartados crescerão de forma dramática nos países em desenvolvimento, nos 10 próximos anos, e na Índia eles devem disparar até 2020 em 500 por cento, na comparação com 2007, afirma um estudo da ONU divulgado na segunda-feira.

O lixo eletrônico, termo que abarca resíduos relacionados a celulares, impressoras, televisores, refrigeradores e outros aparelhos, cresce em mais de 40 milhões de toneladas anuais, mundialmente. Toxinas são emitidas quando ele é queimado de forma indevida por sucateiros em busca de componentes valiosos, tais como cobre e ouro.

Um relatório divulgado na segunda-feira, em Bali, pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (Unep), prevê que até 2020 o lixo eletrônico de computadores crescerá em 400 por cento ante o nível de 2007, na China e África do Sul.

"O relatório torna ainda mais urgente o estabelecimento de processos ambiciosos, formais e regulamentados para recolher e gerir lixo eletrônico, com o estabelecimento de grandes e eficientes instalações na China", disse Achim Steiner, o diretor executivo do Unep.

"A China não é a única a enfrentar um sério desafio. Índia, Brasil, México e outros também poderão enfrentar crescentes danos ambientais e problemas de saúde caso a reciclagem do lixo eletrônico seja deixada aos cuidados aleatórios do setor informal", afirmou ele no relatório.

O estudo, conduzido em parceria com o Empa, da Suíça; com o Umicore, um grupo de materiais especializados; e com a Universidade das Nações Unidas estipula que os Estados Unidos são os maiores produtores mundiais de lixo eletrônico, gerando cerca de 3 milhões de toneladas a cada ano.

A China ocupa um segundo posto bem próximo, com 2,3 milhões de toneladas anuais, e também serve como repositório para o envio de boa parte do lixo eletrônico gerado em outras nações do terceiro mundo, segundo o Empa.

O Empa é o instituto de pesquisa de ciência dos materiais e tecnologia, no Instituto Federal de Tecnologia da Suíça.