Google ainda conversa com China, mas sinais de saída crescem

segunda-feira, 15 de março de 2010 11:10 BRT
 

Por Melanie Lee e Chris Buckley

XANGAI/PEQUIM (Reuters) - O Google afirmou nesta segunda-feira que mantém as conversas com o governo chinês sobre a censura de seu portal de buscas no país, apesar dos sinais cumulativos de que a empresa possa fechar suas operações na China em breve.

O maior mecanismo mundial de buscas em rede está em um impasse há dois meses com Pequim sobre as restrições na Internet e o Google alega que ele e outras empresas foram atacados por hackers na China.

O presidente-executivo da empresa, Eric Schmidt, disse na semana passada que espera anunciar em breve um resultado das negociações com os representantes chineses sobre a oferta de um mecanismo de busca sem censura para um país com 384 milhões de usuários de internet.

Muitos especialistas têm duvidado que o Partido Comunista Chinês se comprometerá com a censura e no fim de semana o Financial Times afirmou que as conversas chegaram a um impasse crítico e que é "99,9 por cento certo" que feche seu site no país, o google.cn.

Um representante do Google disse nesta segunda-feira que as conversas com as autoridades chinesas não terminaram, mas acrescentou que a empresa está irredutível sobre não aceitar a auto-censura.

"Deixamos bem claro que não iremos mais auto-censurar nossos resultados de busca", disse o representante à Reuters, sob condição de anonimato devido à política da empresa.

A China obriga os operadores de internet a bloquearem palavras e imagens que o partido vigente considere inaceitável.

 
<p>Uma bandeira nacional chinesa tremula em frente do logo do Google na sede da empresa em Pequim, 15 de mar&ccedil;o de 2010. O Google afirmou que mant&eacute;m as conversas com o governo chin&ecirc;s sobre a censura de seu portal de buscas no pa&iacute;s, apesar dos sinais cumulativos de que a empresa possa fechar suas opera&ccedil;&otilde;es na China em breve. REUTERS/Jason Lee</p>