Perseguidor que filmou repórter nua é preso

terça-feira, 16 de março de 2010 14:44 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - Um vendedor de seguros de Chicago foi sentenciado a 30 meses de prisão na segunda-feira por filmar e postar na Internet cenas de nudez da repórter esportiva Erin Andrews através do olho mágico de quartos de hotel.

Michael Barrett, de 48 anos, declarou-se culpado de seguir Andrews por mais de 18 meses e de remover o olho mágico de portas de pelo menos três quartos de hotéis diferentes para filmá-la nua com uma câmera de celular.

Após um site de celebridades ter se negado a comprar os vídeos, Barrett colocou 10 deles na Internet, identificando a repórter da ESPN.

Barrett foi sentenciado pelo juiz federal de Los Angeles na segunda-feira e ordenado a pagar a Andrews 7.366 dólares em restituição.

Andrews, de 31 anos, disse na audiência judicial que ainda tem medo e ansiedade por ter sido perseguida, e que está sofrendo humilhação pública.

"Eu estou sendo vitimada todo dia...e eu não fiz nada para merecer isso", disse ela, acrescentando que é mais provável que os vídeos continuem para sempre na Internet.

"Eu estou vivendo uma humilhação pública. É o meu corpo que está na Internet...Ele me seguiu, me aterrorizou --isso nunca terminará para mim, e eu não quero que isso acabe para você". disse Andrews, olhando para Barrett.

Barrett se desculpou, dizendo: "Eu não tenho palavras para dizer adequadamente à senhorita Andrews o quanto eu sinto pelo que eu fiz com ela. Eu espero que um dia ela me perdoe."

Pelo menos 16 outras mulheres foram vítimas de Barrett no mesmo dia, de acordo com documentos do tribunal. Seus nomes não foram revelados, mas o tribunal as descreveu como "mulheres repórteres de esportes e outras personalidades da televisão."

Andrews, que foi eleita a "comentarista de esportes mais sexy" dos Estados Unidos pela Playboy em 2007 e 2008, será uma das celebridades que competirão na próxima temporada do programa "Dancing with the Stars", da rede de TV norte-americana ABC, que começará no dia 22 de março.

(Reportagem de Jill Serjeant)