Google transfere serviço de busca chinês para Hong Kong

segunda-feira, 22 de março de 2010 18:27 BRT
 

Por Alexei Oreskovic

SAN FRANCISCO (Reuters) - O Google transferiu seu serviço de buscas chinês para Hong Kong nesta segunda-feira, buscando fornecer resultados de pesquisas não censurados a internautas chineses ao mesmo tempo em que tenta manter suas operações no país.

O Google afirmou que o tráfego de seu site de buscas chinês google.cn está sendo redirecionado ao site google.com.hk, após negociações mal-sucedidas com Pequim sobre a possibilidade de operar um serviço de buscas não censurado na China.

A medida é tomada em meio a um aumento nas tensões entre a China e os Estados Unidos sobre uma série de questões, desde a liberdade na Internet até a taxa de câmbio do yuan, e de sanções econômicas contra o Irã e vendas de armas norte-americanas em Taiwan.

"O governo chinês foi claríssimo ao longo das negociações de que nossa autocensura é uma exigência legal não negociável", disse o Google em comunicado divulgado em seu blog oficial nesta segunda-feira.

O Google afirmou que pretende manter suas operações de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e sua presença comercial no país, alertando que o tamanho de sua equipe de vendas depende parcialmente em se usuários chineses consigam ou não acessar a versão de Hong Kong do site de buscas.

Hong Kong, que é uma ex-colônia britânica, é uma região administrativa da China e conta com maior liberdade -- incluindo Internet não censurada-- que o resto do país.

O Google já indicou sua intenção de se retirar da China, maior mercado de Internet do mundo em número de usuários, em janeiro, quando anunciou ter detectado um ataque a seus sistemas por hackers, que diz ter se originado na China.

A censura da Internet se tornou uma fonte de tensões entre China e Estados Unidos, com a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton lançando um chamado em janeiro pela defesa da liberdade na Internet em todo o mundo, citando a China, entre outros países, como exemplo.   Continuação...

 
<p>O Google passou a redirecionar visitantes chineses a seu site n&atilde;o censurado de Hong Kong. 22/03/2010 REUTERS/Jason Lee</p>