Baidu se beneficiará da saída do Google da China

quarta-feira, 24 de março de 2010 11:48 BRT
 

Por Melanie Lee

XANGAI (Reuters) - A Baidu, maior operadora chinesa de serviços de busca, pode elevar suas vendas em mais de 50 por cento este ano caso a batalha entre o Google e Pequim se agrave ainda mais, mas os investidores parecem já ter incorporado boa parte dessa perspectiva favorável ao preço das ações.

Analistas acreditam que a Baidu, cujo nome vem de um antigo poema sobre a busca da perfeição, fique com até metade da receita de buscas do Google na China depois que este fechou seu site google.cn e migrou os usuários para um site sediado em Hong Kong esta semana.

Isso poderia elevar em 330 milhões de dólares ao ano o faturamento da Baidu, o que representaria alta de mais de 50 por cento sobre os 4,45 bilhões de yuan (645 milhões de dólares) de receita auferidos em 2009.

Mas com a alta de quase 54 por cento que as ações da companhia registram desde que o Google começou a contestar as autoridades chinesas, em janeiro, os papeis já estão cotados a um múltiplo de 61 vezes, quase três vezes superior ao do Google.

Isso deixa pouca margem de erro ou decepção à empresa.

"As avaliações estão muito altas e as pessoas estão incorporando ao preço a ideia de que o governo chinês vai fechar o acesso ao google.com e google.com.hk no país," disse Eric Wen, diretor de pesquisa de Internet na Mirae Asset.

As ações da Baidu fecharam a 594,88 dólares na terça-feira, acima da avaliação média de 567,56 dólares apresentada por 23 analistas consultados pela Thomson Reuters I/B/E/S.

Embora os analistas estejam revisando para cima as estimativas de lucros, a StarMine classifica a Baidu na faixa mais baixa de valor em termos de indicadores relativos e inerentes.

Alguns analistas também estão preocupados com o foco apenas doméstico da empresa, o que pode limitar seu crescimento.

A companhia pode investir 30 milhões de dólares no Japão este ano, um dos poucos mercados estrangeiros em que atua, com um serviço de buscas deficitário e com baixa audiência na concorrência contra gigantes locais como o Yahoo Japan, informou Dick Wei, analista do JPMorgan, em relatório.