Quadrilha mundial de cibercrime fatura quase US$200 milhões

quarta-feira, 24 de março de 2010 15:25 BRT
 

Por Jim Finkle

BOSTON, Estados Unidos, 24 de março (Reuters) - Centenas de especialistas em computação, a maioria dos quais estudantes que trabalhavam para custear a universidade, lotavam três pavimentos de um edifício de escritórios em uma área industrial da capital ucraniana, Kiev, digitando códigos em ritmo frenético. Eles estavam criando alguns dos mais malignos lucrativos vírus de computador.

De acordo com documentos judiciais, antigos funcionários e investigadores, os visitantes eram atendidos à porta da empresa, a Innovative Marketing Ukraine, por um recepcionista. Cabos de comunicação se entrecruzavam pelo chão e uma pequena cafeteira ficava instalada na mesa de um dos funcionários.

Com a prosperidade de seus negócios, a empresa criou um departamento de recursos humanos, contratou uma equipe interna de tecnologia da informação e criou uma central telefônica para dissuadir vítimas de reclamar de cobranças indevidas em seus cartões de crédito. Os funcionários celebravam as ocasiões festivas em eventos bancados pela empresa e piqueniques com direito a torneios de paintball.

Os melhores desempenhos eram recompensados com bonificações, e os funcionários jovens preferiam fechar os olhos aos estragos causados pelos vírus. "Quando você tem só 20 anos, não pensa muito sobre ética", disse Maxim, antigo programador da Innovative Marketing que hoje é empregado de um banco em Kiev e pediu para não ter seu sobrenome revelado. "Eu tinha um bom salário e sei que a maioria dos demais funcionários também tinha salários bons."

Em uma rara vitória contra o crime virtual, a companhia foi fechada no ano passado depois que a Federal Trade Commission dos Estados Unidos apresentou processo solicitando sua dissolução em um tribunal federal norte-americano.

Um exame da queixa da FTC e documentos relacionados a uma disputa judicial entre executivos da Innovative oferecem um raro vislumbre de um quadrante sombrio, crescente e altamente lucrativo da Internet.

A Innovative Marketing Ukraine, ou IMU, ocupava posição central em um complexo império empresarial clandestino que se estendia da Europa Oriental ao Barein; da Índia a Cingapura e aos EUA. Um pesquisador da McAfee, produtora de software de segurança, que dedicou meses a um estudo sobre a empresa estima que ela tenha gerado receitas de cerca de 180 milhões de dólares em 2008, vendendo programas em pelo menos dois países.

"Eles transformavam computadores invadidos em dinheiro", disse o pesquisador, Kirk Kollberg.   Continuação...