México pode cortar milhões de celulares para combater crime

quinta-feira, 8 de abril de 2010 19:30 BRT
 

Por Noel Randewic

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Milhões de mexicanos podem ter suas linhas de celular cortadas neste fim de semana se o governo levar adiante uma nova lei para combater o crime que forçaria as pessoas a registrar seus aparelhos.

Anúncios divulgados em emissoras de rádio e televisão estatais nas últimas semanas pedem aos mexicanos que registrem seus celulares enviando suas informações pessoais por mensagem de texto, mas, até esta quinta-feira, 30 milhões de linhas permanecem sem registro a poucos dias do prazo dado pelo governo.

Analistas afirmam que quaisquer perdas para a maior operadora do país, América Móvil, serão minúsculas em comparação às vendas totais da companhia.

Mesmo assim, a operadora, controlada pelo bilionário Carlos Slim, pressiona senadores para estender o prazo de implementação da lei, aprovada há um ano, que busca impedir criminosos de usar celulares para extorsão e negociar resgates de sequestros.

"Perto de 30 milhões de pessoas serão afetadas ... muitas das quais dependem do celular como seu único meio de comunicação", disse o chefe de Relações Institucionais da América Móvil, Guillermo Ferrer, em email.

A maioria dos 84 milhões de celulares do México é de aparelhos pré-pagos com um pacote limitado de minutos que pode ser facilmente comprado em lojas.

A América Móvil conta com uma fatia de 71 por cento do mercado de telefonia móvel do México, além de operações no Brasil, Chile e outros países da região. Grande parte da participação restante no mercado é da espanhola Telefonica.