Corte de custos ajuda Sony Ericsson a sair do vermelho no 1o tri

sexta-feira, 16 de abril de 2010 09:52 BRT
 

Por Simon Johnson

ESTOCOLMO (Reuters) - A fabricante de celulares Sony Ericsson surpreendeu ao registrar lucro no primeiro trimestre, avançando no crescente mercado de celulares inteligentes e promovendo consideráveis cortes de custos que elevaram sua margem de lucro.

A Sony Ericsson vendeu 28 por cento menos celulares ante o mesmo período em 2009, e analistas alertaram que o controle de custos e um foco mais preciso da empresa não significam que suas dificuldades tenham acabado, já que o grupo passou sete trimestres consecutivos no vermelho.

"É muito positivo que eles tenham conquistado lucros, e que seu preço médio de vendas esteja em alta," disse Michael Andersson, analista da corretora Evli.

"Mas isso resulta na redução em seu número de modelos e em uma queda superior à esperada em termos de volume. Não resta dúvida de que a Sony Ericsson tem diversos desafios a enfrentar," acrescentou.

A empresa, cujos modelos Xperia 10 e Vivaz começaram a ser comercializados no final do trimestre, vendeu apenas 10,5 milhões de aparelhos no período, 28 por cento abaixo do total do primeiro trimestre em 2009, e decepcionou as projeções dos analistas, que variavam de 11,5 milhões a 15,7 milhões de unidades vendidas.

Depois de um péssimo 2009, quando o mercado mundial de celulares se contraiu em função da crise econômica global, muitos analistas acreditam que as perspectivas do setor tenham melhorado nos meses recentes, ainda que a Sony Ericsson tenha mantido sua projeção cautelosa quanto a uma alta modesta no mercado de celulares este ano.

Analistas projetam alta de 10,8 por cento nas vendas de celulares em 2010.

A Sony Ericsson reportou lucro antes de impostos de 18 milhões de euros (25,2 milhões de dólares), superando todas as previsões de 26 analistas consultados pela Reuters, que projetavam prejuízo para a companhia.

Depois de sofrer prejuízo de 370 milhões de euros um ano antes, a Sony Ericsson anunciou margem bruta de 31 por cento no trimestre, bem acima das previsões, devido a um forte corte de custos e maiores vendas de celulares inteligentes que oferecem funções parecidas com as dos computadores e links para sites como Twitter e Facebook.