Lenovo buscará crescimento no segmento móvel

segunda-feira, 19 de abril de 2010 09:37 BRT
 

Por Michael Wei e Kelvin Soh

PEQUIM/HONG KONG (Reuters) - O grupo Lenovo, quarto maior fabricante mundial de computadores pessoais, anunciou nesta segunda-feira que produtos para Internet móvel responderão por entre 10 e 20 por cento de sua receita em cinco anos, com o início de uma nova campanha de expansão no segmento de comunicação sem fio.

A companhia espera vender milhões de unidades de sua nova linha de celulares inteligentes, no prazo de um a cinco anos, e dezenas de milhões de unidades no futuro, anunciou seu presidente, Roy Read, em briefing à imprensa.

Ele acrescentou que os aparelhos móveis de Internet, entre os quais os populares computadores netbook, de baixo custo, respondem no momento por menos de 10 por cento das vendas anuais da empresa.

"No espaço dos celulares inteligentes, o mercado da China mal está emergindo," disse Read. "Estamos apenas no começo."

O mercado de aparelhos móveis para Internet deve superar o de computadores tradicionais nos próximos cinco anos, declarou o presidente-executivo, Yang Yuanqing, enquanto a empresa lançava novos produtos para Internet móvel em um evento em Pequim.

Depois de vender sua divisão de celulares a fim de se concentrar em computadores, sua atividade dominante, a Lenovo retomou o controle da unidade no ano passado, para buscar seu objetivo de liderança no mercado chinês de comunicações móveis, conforme este começa a convergir com os computadores.

No entanto, a empresa não espera que as comunicações móveis contribuam significativamente com seus resultados nos próximos dois anos, pelo menos, porque estará concorrendo com rivais mais estabelecidos.

O Lenovo, a exemplo de rivais como Acer e Dell, passou a disputar mercado com os fabricantes convencionais de celulares ao lançar um esguio celular inteligente dotado de tela de toque, em janeiro, acionado pelo sistema operacional Google Android.

A maioria das empresas de pesquisa de mercado, como IDC e Gartner, estima que o crescimento dos celulares inteligentes seja superior ao dos computadores em 2010, o que deve atrair ainda mais concorrentes a um setor dominado tradicionalmente por empresas como Nokia e Research in Motion, fabricante do Blackberry.