Nova pesquisa estuda impacto de celulares na saúde

quinta-feira, 22 de abril de 2010 10:47 BRT
 

Por Kate Holton

LONDRES (Reuters) - Um novo estudo examinando a relação entre o uso de aparelhos celulares e problemas de saúde no longo prazo, como câncer e doenças neurológicas, foi lançada nesta quinta-feira em cinco países europeus. A pesquisa deve durar algumas décadas.

Organizadores disseram que o estudo Cohort sobre Comunicações Celulares (Cosmos, sigla em inglês) seria a mais ampla realizada sobre o tema, examinando mais de 250 mil pessoas entre 18 e 69 anos de idade na Grã-Bretanha, Finlândia, Holanda, Suécia e Dinamarca.

O professor Paulo Elliott, principal cientista na Imperial College de Londres para a parte britânica do estudo, disse que dados de pesquisas anteriores que examinaram a relação com a saúde têm sido, até agora, tranquilizadores, mas apontou que essas pesquisas frequentemente se limitam a um período de cerca de 10 anos.

Como muitas formas de câncer demoram mais tempo para se desenvolverem e os aparelhos celulares ainda são recentes, Elliott disse que há a necessidade de um estudo de longo prazo.

O estudo Cosmos observará os efeitos durante um período de tempo maior, de 10, 20 ou 30 anos. O monitoramento a longo prazo permitirá mais tempo para o desenvolvimento de possíveis doenças.

Entidades como a Organização Mundial da Saúde, a Sociedade Americana do Câncer e o Instituto Nacional de Saúde, todas concluíram que provas científicas até agora não demonstram efeitos prejudiciais à saúde associados ao uso de aparelhos celulares.

 
<p>Homem posa com velhos celulares em San Diego. Um novo estudo examinando a rela&ccedil;&atilde;o entre o uso de aparelhos celulares e problemas de sa&uacute;de no longo prazo, como c&acirc;ncer e doen&ccedil;as neurol&oacute;gicas, foi lan&ccedil;ada nesta quinta-feira em cinco pa&iacute;ses europeus. A pesquisa deve durar algumas d&eacute;cadas.20/04/2010.REUTERS/Mike Blake</p>