Autoridades regulatórias estão atentas ao Facebook

quinta-feira, 22 de abril de 2010 14:13 BRT
 

Por Sangeeta Shastry

BRUXELAS (Reuters) - Ao longo dos seis últimos anos, as redes sociais vêm sendo o fenômeno de maior destaque na Internet, e conectam mais de 1 bilhão de pessoas ansiosas por trocar vídeos, fotos ou votos de aniversário.

Esses sites, liderados pelo Facebook, com 400 milhões de usuários, dependem em larga escala da disposição dos usuários de compartilhar grande volume de informações pessoais com redes cada vez maiores de "amigos," sejam pessoas que de fato conhecem e encontram eventualmente, ou aquelas que conhecem virtualmente pela Internet.

A disposição dos membros de adicionar contatos deu aos sites poderoso alcance mundial, atraindo usuários dos sete aos 70 anos de idade, de skatistas a banqueiros de investimento, e com isso expondo um meio profundo e potencialmente lucrativo de receita de publicidade dirigida.

Mas, ao mesmo tempo, o fenômeno levou à concentração de grande volume de dados --endereços e números de telefone, algo que as pessoas gostam ou não-- nos servidores de pequeno número de empresas.

No caso do Facebook, o tsunami das redes sociais se espalhou em pouco mais de seis anos do alojamento do fundador Mark Zuckerberg, 25, na Universidade Harvard a um elenco mundial de quase meio bilhão de pessoas --o suficiente para criar o terceiro país mais populoso do mundo.

Isso, por sua vez, despertou preocupações sérias quanto à privacidade, e governos da Europa, América do Norte e Ásia estão preocupados quanto ao potencial de roubo de dados, à exploração das identidades pessoais para fins de lucro e aos abusos online contra crianças.

As autoridades encarregadas de proteger dados, em diversos países, realizaram teleconferência esta semana para discutir de que maneira podem trabalhar juntas a fim de prevenir aquilo que veem como constante erosão da privacidade, e a União Europeia também está estudando que papel poderia desempenhar.

Elas talvez não sejam capazes de forçar o recuo das redes sociais, mas as autoridades querem fazer o possível para limitar o papel intrusivo de alguns sites. O duelo entre a privacidade e a liberdade da Internet é iminente.

"Não podemos esperar que os cidadãos confiem na Europa se não defendermos com seriedade seu direito à privacidade," disse Viviane Reding, da comissão de Mídia e Sociedade da Informação da União Europeia, em discurso realizado em janeiro para expressar suas preocupações.