Ações da Portugal Tel disparam por rumores sobre Slim

quinta-feira, 27 de maio de 2010 09:41 BRT
 

Por Filipa Cunha Lima e Daniel Alvarenga

LISBOA (Reuters) - As ações da Portugal Telecom disparavam nesta quinta-feira, no segundo dia consecutivo de alta, com rumores sobre compra de participações significativas na empresa ante uma eventual aquisição hostil pela Telefónica, segundo operadores.

Às 9h32 (horário de Brasília), a ação da Portugal Telecom saltava 6,74 por cento, para 8,30 euros.

"Não sabemos se o stakebuilding já começou de fato, mas há muita gente comprando Portugal Telecom para antecipar esse movimento por parte de institucionais, que devem entrar na Portugal Telecom para se posicionarem do lado da PT ou da Telefónica", disse um operador em Lisboa.

O Diário Económico informou nesta quinta-feira que o bilionário mexicano Carlos Slim considera entrar no capital da Portugal Telecom para impedir o movimento da Telefónica, à semelhança do que fez quando ajudou a companhia portuguesa a impedir uma oferta hostil da Sonaecom, que falhou em 2007.

"Essa subida (das ações da Portugal Tel) é significativamente especulativa", disse Alfredo Mendes, operador do Banco Best. "O stakebuilding vai, sem dúvida, elevar a cotação da Portugal Telecom nos próximos dias", acrescentou um operador que preferiu não ser identificado.

Após o conselho de administração da Portugal Telecom ter rejeitado uma oferta de 5,7 bilhões de euros da Telefónica pelos 50 por cento que a empresa tem na Brasilcel, que controla a Vivo, a companhia portuguesa tem estado sob pressão da Telefónica, que disse poderá lançar uma oferta hostil de compra da Portugal Telecom, bloquear seu acesso aos dividendos da Vivo ou levar o assunto a uma assembleia geral de acionistas.

Analistas consideram que, após a rejeição da oferta da Telefónica pela Portugal Telecom, o aumento da oferta inicial é o cenário mais provável, sendo que a Telefónica pode oferecer uma contrapartida superior em 50 por cento.

O ING acredita que a Telefónica possa pagar até 7,5 bilhões de euros, enquanto o Deutsche Bank (DB) considera que a oferta da operadora espanhola teria de ser revista para cima em cerca de 50 por cento para ter sucesso.