EUA enfrentam risco de cibersabotagem, diz general

sexta-feira, 4 de junho de 2010 16:53 BRT
 

Por Jim Wolf

WASHINGTON (Reuters) - O Departamento de Defesa dos Estados Unidos precisa ser capaz de operar livremente no ciberespaço por conta do risco do país sofrer uma "sabotagem remota", afirmou um general do exército norte-americano encarregado pelas operações digitais ofensivas e defensivas norte-americanas.

O potencial para sabotagem e destruição é "algo que precisamos tratar com muita seriedade", disse o general Keith Alexander em seus primeiros comentários públicos desde que o novo Comando Cibernético dos EUA foi ativado em 21 de maio.

"Enfrentamos uma perigosa combinação de vulnerabilidades conhecidas e desconhecidas, fortes capacidades do adversário e uma baixa situação de alerta", afirmou o militar em audiência no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em Washington.

"Nosso Departamento de Defesa precisa ser capaz de operar livremente e defender seus recursos no ciberespaço", afirmou.

Importantes assessores do presidente norte-americano, Barack Obama, estão avaliando o assunto e como as leis de guerra se aplicam a um ataque digital que utiliza infraestrutura de um país neutro, disse ele.

ATAQUES NA ESTÔNIA, GEÓRGIA

"O que não temos é a precisão que necessitamos nestas regras de ação", disse Alexander.

Ele se referiu aos ataques distribuídos de negação de serviço que afetaram atividades dos governos da Estônia, em 2007, e da Geórgia, em 2008.   Continuação...