7 de Junho de 2010 / às 16:37 / 7 anos atrás

ANÁLISE-Fusão é boa a grupo de Slim,não tanto para América Móvil

Por Noel Randewich

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O plano do homem mais rico do mundo, Carlos Slim, de consolidar suas operações com telecomunicações é bom para seu império, mas pode não ser tão positivo para os acionistas minoritários da América Móvil

A relutância de Slim em fornecer detalhes financeiros específicos sobre os benefícios que espera obter com a fusão anunciada em janeiro tem alimentado avaliações de que a operação é planejada para resgatar a holding mexicana de telefonia fixa às custas da América Móvil.

“Acreditamos que o principal motivador para a operação não são sinergias de custos ou receitas, mas o desejo de Carlos Slim de usar os minoritários da América Móvil para comprar sua participação na Telmex e na Telmex Internacional a um preço generoso”, disse o analista James Ratzer, da New Street Research, em relatório a clientes.

Pelas ofertas que se encerram na quinta-feira, a América Móvil, controlada por Slim, vai adquirir a Telmex International e a maior parte da operadora fixa mexicana Telmex.

Slim afirma que a combinação das companhias criará uma força de telecomunicações mais bem colocada para competir com rivais como a espanhola Telefónica, mas alguns analistas alertam que a aliança será um peso para a América Móvil, controladora da segunda maior operadora celular do Brasil, Claro.

A Telmex é uma companhia que está encolhendo e cujas ações têm perdido valor desde meados de 2008. No ano passado, foi a ação de pior performance na bolsa do México. A empresa tem sido forçada a congelar preços por uma década enquanto as famílias mexicanas optam por trocar suas linhas fixas por números celulares.

Enquanto isso, a Telmex Internacional tem se saído melhor, mas enfrenta dura competição em seus mercados, particularmente no Brasil, onde controla a Embratel.

Em contrapartida, a América Móvil, maior operadora celular da América Latina, ainda é vista como tendo forte potencial de crescimento nos próximos anos.

A combinação de Telmex Internacional com América Móvil criará uma companhia que oferecerá telefonia fixa, móvel, Internet e serviços de TV, e que estará melhor posicionada para competir com a Oi no Brasil.

O vice-presidente financeiro da América Móvil, Carlos Garcia-Moreno, afirmou durante o Reuters Latin America Investment Summit em maio que a maior parte das sinergias com a consolidação virão da área de investimentos. O compartilhamento de infraestrutura permitirá um incremento nos investimentos, disse o executivo.

Mas alguns analistas mostram-se frustrados. “Ei, se eles não me dão nada, como eu posso tomar uma decisão (sobre recomendação de investimento)?”, reclama um analista que pediu para não ser identificado.

Apesar da incerteza e das preocupações de que a consolidação vai diluir o valor da América Móvil, muitos analistas recomendam a compra com base nas expectativas de que a empresa continuará crescendo rapidamente nos próximos anos na América Latina, onde seu principal rival é a Telefónica.

A América Móvil já separou 9,8 bilhões de ações, avaliadas em cerca de 24 bilhões de dólares, para pagar pelas transações.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below