Estado dos EUA intima Google sobre dados coletados via Wi-Fi

segunda-feira, 7 de junho de 2010 18:30 BRT
 

Por Scott Malone

BOSTON (Reuters) - O procurador-geral do Estado de Connecticut, nos Estados Unidos, pediu informações ao Google nesta segunda-feira sobre se a empresa coletou dados pessoais e corporativos sem permissão por meio de redes de Internet sem fio (Wi-Fi).

Em carta enviada ao advogado do Google, o procurador-geral Richard Blumenthal pediu informações detalhadas sobre quaisquer dados que teriam sido coletados de redes Wi-Fi no Estado e como as informações teriam sido usadas.

No mês passado, o popular site de buscas admitiu que os carros que tiravam fotos de ruas em todo o mundo para o seu serviço Google Street View coletaram, durante anos, dados como e-mails e senhas de redes Wi-Fi abertas.

"A coleta de dados de redes Wi-Fi abertas aqui é muito perturbadora, potencialmente uma invasão de privacidade", disse Blumenthal em comunicado. "Meu gabinete irá avaliar se houve violação de leis".

O Google afirmou que continuará cooperando com as autoridades.

Em maio, a companhia afirmou que a coleta das informações foi acidental. O Google pretendia coletar dados sobre centros Wi-Fi para outros serviços de localização.

O Estado do Missouri também abriu um inquérito sobre o caso na sexta-feira, enquanto no domingo a Procuradoria-geral da Austrália pediu à polícia do país que abrisse uma investigação sobre a possível quebra de leis de privacidade de telecomunicações pelo Google.

(Reportagem de Scott Malone)