Pelo Twitter, presidente turco condena bloqueio de YouTube

sexta-feira, 11 de junho de 2010 18:57 BRT
 

ANCARA (Reuters) - O presidente da Turquia, Abdullah Gul, usou seu perfil na rede social Twitter para condenar o bloqueio do YouTube e de outros serviços do Google no país.

"Sei que há muitas reclamações sobre as proibições ao YouTube e Google", disse Gul em mensagem do Twitter na quinta-feira.

"Com certeza, sou contra o fechamento (dos sites). Já ordenei que as instituições responsáveis cheguem a uma solução. Pedi que haja uma mudança nas regras".

Grupos de direitos humanos e associações de mídia há tempos pressionam a Turquia, país candidato a membro da União Europeia, para que promova uma reforma de suas restritivas leis de Internet.

Em janeiro, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) informou que a Turquia estava bloqueando cerca de 3.700 sites da Internet por "razões arbitrárias e políticas".

O acesso ao popular site de vídeos YouTube foi bloqueado pelo governo turco em 2008, após usuários postarem vídeos em que dizem que o fundador da Turquia moderna, Kemal Ataturk, era alcoólatra e homossexual.

No começo do mês, o Conselho de Telecomunicações do país afirmou que bloqueou o acesso a sites do Google "por razões legais".

O governo turco cita ofensas como pornografia infantil, insultos a Ataturk e incitação ao suicídio como razões pelo bloqueio de sites.

O papel do presidente da Turquia é em grande parte cerimonial, sendo que decisões executivas cabem ao primeiro-ministro e ao gabinete.

(Reportagem de Ece Toksabay)

 
<p>O presidente da Turquia, Abdullah Gul, participa de um evento na Alb&acirc;nia em 2009. Ele usou seu perfil na rede social Twitter para condenar o bloqueio do YouTube e de outros servi&ccedil;os do Google na Turquia. 10/12/2009 REUTERS/Arben Celi</p>