Mudanças no iPhone não aliviam investigação sobre Apple

sexta-feira, 11 de junho de 2010 19:24 BRT
 

Por Gabriel Madway e Diane Bartz

SAN FRANCISCO/WASHINGTON (Reuters) - Embora a Apple tenha afrouxado restrições à publicidade no iPhone, com seu principal concorrente Google em mente, isso não foi suficiente para tranquilizar reguladores antitruste.

Autoridades da Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos abriram uma investigação informal do novo serviço de publicidade da Apple, iAd, que deve ser lançado em 1o de julho, para averiguar se o produto prejudica a concorrência ou deixa programadores com menos escolhas para aplicativos.

Na quarta-feira, o Google criticou a Apple, afirmando que as alterações ao acordo de programadores da empresa efetivamente barram o uso de ferramentas de publicidade do Google para o iPhone, prejudicando programadores de aplicativos.

Por outro lado, as modificações parecem resguardar o uso de redes de publicidade independentes menores no iPhone.

"Não estamos banindo outros anunciantes de nossa plataforma", disse o presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, em conferência no início do mês.

Mas, para muitos, é óbvio que o objetivo da Apple com as novas restrições era atingir o Google.

"O que a Apple fez foi eliminar qualquer dúvida", disse uma fonte, que discutiu a investigação com a FTC.

"A pergunta que importa para a comissão é: isso impede o uso de alternativas (ao iAd)?", indagou.