Ongoing, acionista da Portugal Telecom, é contra venda da Vivo

segunda-feira, 14 de junho de 2010 09:24 BRT
 

Por Sérgio Gonçalves

LISBOA (Reuters) - A Ongoing, quinta maior acionista da Portugal Telecom, votará contra a atual proposta de 6,5 bilhões de euros da Telefónica para comprar a fatia da empresa portuguesa na Vivo, afirmou o presidente-executivo da empresa, Nuno Vasconcelos.

Em 30 de junho, a assembleia geral de acionistas da Portugal Telecom vai deliberar sobre a proposta que, apesar de incorporar uma alta de 14 por cento sobre os 5,7 bilhões de euros oferecidos inicialmente e rejeitados no mês passado, foi classificada pelo conselho da Portugal Telecom como inferior ao valor estratégico da Vivo.

"Se é esta proposta que está em cima da mesa que será levada à assembleia, a Ongoing votará contra", afirmou Nuno Vasconcellos em declarações por email à Reuters.

A Ongoing, que detém 6,74 por cento da Portugal Telecom, reforçou a posição de que "a presença no Brasil é estratégica para o futuro da Portugal Telecom".

Vasconcelos acrescentou "que o preço oferecido não reflete o valor estratégico que a Vivo tem para a Portugal Telecom, que é o de participar na empresa que lidera o maior mercado e com maior potencial da América do Sul".

"E considero que a proposta não reflete todo o valor estratégico que o controle da Vivo tem para a Telefónica e as sinergias que a companhia pode conseguir ao unir a operação móvel à Telesp", ressaltou Vasconcelos.

A operadora espanhola quer comprar os 50 por cento que lhe faltam e que a Portugal Telecom possui na Brasilcel, joint venture que controla cerca de 60 por cento da Vivo --maior operadora de telefonia móvel do Brasil que tem sido o principal motor de crescimento da empresa portuguesa.

A Telefónica é a maior acionista da Portugal Telecom, com 10 por cento do seu capital.

"A Ongoing --e penso que os outros acionistas-- vai esperar pelo resultado dessas discussões para saber qual é o conselho, a indicação, que a administração da Portugal Telecom dará", disse.

"A gestão executiva tem de ter uma mensagem clara e dizer se realmente é para vender ou não", destacou o presidente da Ongoing, acrescentando que "vamos esperar que os gestores nos digam se não existe mais valor nesta participação do que o oferecido pela Telefónica".