Livro indaga por que os videogames importam

terça-feira, 15 de junho de 2010 17:33 BRT
 

Por Mark Egan

NOVA YORK (Reuters) - Os videogames quase dominaram a vida de Tom Bissell, arremessando-o a um surto de jogar Grand Theft Auto e cheirar cocaína que durou meses.

Mas, como todo bom escritor, ele pelo menos tirou um livro de suas experiências --e talvez uma virada em sua carreira.

O livro de Bissell, "Extra Lives: Why Video Games Matter", saiu este mês pela Pantheon, uma editora do grupo Random House, e combina uma visão crítica dos videogames como forma de arte, comentário social e memórias pessoais.

As pesquisas dele o levaram a mergulhar tão fundo no mundo dos videogames --de jogá-los a conversar com alguns dos principais criadores mundiais de jogos-- que o próximo trabalho em sua carreira será roteirizar um jogo.

"Vou começar a escrever pelo menos um jogo", disse Bissell, 36. "Começo a compreender por que tantos videogames têm roteiros tão ruins --é que escrevê-los é realmente difícil e realmente estranho."

Bissell, conhecido por livros de viagens cabeça e exóticos, espera que outros escritores literários sigam seu exemplo.

"Os escritores de literatura costumavam recorrer a Hollywood para ganhar dinheiro", disse. "As pessoas da minha idade e mais jovens irão aos videogames."

O currículo passado de Bissell não indicava que seu futuro poderia envolver os videogames. Ele é autor de um livro de contos, "God Lives in St. Petersburg", de um livro de viagem sobre a guerra do Vietnã e seu pai, "The Father of All Things", e de um livro sobre o Uzbequistão e a Quirguízia chamado "Chasing the Sea".

Mas ele se apaixonou pelos videogames e decidiu escrever sobre os motivos para que devam ser considerados uma forma tão significativa quanto outros suportes estabelecidos da cultura pop, como livros e filmes.

"Os videogames oferecem um imediatismo que outras formas de narrativa não podem acompanhar", disse. "Ao contrário de outras formas de mídia, eles existem no campo da experiência, e inserem quem os joga em uma história de ficção que pode ser mudada a fim de criar uma narrativa pessoal, viva."