Telefónica vende 8% de fatia na Portugal Telelecom

quarta-feira, 23 de junho de 2010 13:58 BRT
 

MADRI/LISBOA (Reuters) - A Telefónica vendeu 8 por cento de sua participação no capital da Portugal Telecom, que no próximo dia 30 votará em Assembleia Geral Extraordinária a proposta da empresa espanhola de compra da parcela do grupo português na brasileira Vivo.

"Já comunicamos à Comissão de Valores de Portugal (CMVM) que vendemos 8 por cento e ficamos com dois por cento (da Portugal Telecom)", afirmou um porta-voz da Telefónica.

De acordo com o analista Pedro Oliveira, do BPI, ainda que possam surgir algumas questões legais, o objetivo da Telefónica é conseguir que os votos na assembleia referentes aos oito por cento --que poderiam ser proibidos por conflito de interesse-- sejam favoráveis à operação envolvendo a Vivo.

"Se esses oito por cento votarem a favor da Telefónica, podem ser decisivos para as intenções da companhia espanhola", afirmou Oliveira.

Na quarta-feira da semana que vem, os acionistas da Portugal Telecom vão deliberar sobre uma oferta de 6,5 bilhões de euros da Telefónica pelos 50 por cento que o grupo português detém na holding Brasilcel, que controla a Vivo. A Telefónica é dona da outra metade da Brasilcel.

O Conselho de Administração da Portugal Telecom já manifestou que a proposta não reflete o valor estratégico da Vivo. Os conselheiros do grupo português tinham rejeitado uma oferta anterior de 5,7 bilhões de euros feita pela Telefónica pelo controle da Vivo, sem sequer terem considerado levar o tema para uma assembleia de acionistas.

Na terça-feira, o chairman da Portugal Telecom, Henrique Granadeiro, em entrevista ao Económico TV, afirmou que "seguramente" havia um conflito de interesses caso a Telefónica votasse na assembleia como sócia da Portugal Telecom sobre a própria proposta de comprar a posição na Vivo.

Granadeiro lembrou que aceitar ou impedir a Telefónica de votar no encontro de acionistas da Portugal Telecom era uma decisão que competia exclusivamente ao presidente da mesa da assembleia, que ainda não tinha se manifestado sobre isso.

Alguns analistas vinham afirmando ser provável que a Telefónica fosse impedida de votar, o que poderia tornar mais necessário que a empresa espanhola tivesse de voltar a elevar o montante oferecido pela fatia na Vivo para ter mais chance de sucesso.

Dois acionistas da Portugal Telecom já manifestaram a intenção de votar contra a proposta da Telefónica: o Banco Espírito Santo de Investimento --subsidiária do BES, que é o segundo maior acionista do grupo de telecomunicações português com cerca de 8 por cento do capital-- e a Ongoing, quinta maior acionista com uma posição de 6,7 por cento.

(Por Filipa Cunha Lima e Robert Hetz)

 
<p>Alierta, presidente da Telef&oacute;nica, participa de confer&ecirc;ncia. A Telef&oacute;nica vendeu 8 por cento de participa&ccedil;&atilde;o na Portugal Telecom, que em breve decidir&aacute; em assembleia se aceita ou n&atilde;o a proposta da espanhola de comprar a posi&ccedil;&atilde;o da portuguesa na Vivo, informaram o Jornal de Neg&oacute;cios e a emissora SIC Not&iacute;cias.28/02/2008.REUTERS/Sergio Perez</p>