Citigroup estuda investir em site de gestão de finanças pessoais

segunda-feira, 12 de julho de 2010 18:43 BRT
 

Por Maria Aspan

NOVA YORK (Reuters) - O Citigroup, em um esforço para atrair correntistas mais jovens, está estudando investir em um site nos Estados Unidos que permite aos clientes gerir suas vidas financeiras de maneira unificada, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto.

O Citigroup está conversando com diversas empresas que desenvolvem software de gestão financeira pessoal, ou PFM, segundo as fontes. O terceiro maior banco norte-americano já tentou por duas vezes desenvolver software PFM próprio, mas não conseguiu sucesso com nenhum dos projetos.

O software ganhou popularidade em larga medida devido ao Mint.com, um site que permite gerenciar orçamentos pessoais e conta agora com 3,5 milhões de usuários. A Intuit adquiriu o Mint por 170 milhões de dólares no ano passado, depois de tentar sem sucesso desenvolver um software financeiro pessoal próprio.

O Mint é o líder do setor nos EUA, com o serviço mais robusto. O Citigroup antecipa pagar apenas alguns milhões de dólares por software concorrente.

Investir em um site de finanças pessoais é uma parte pequena mas importante do esforço do Citigroup para revitalizar suas operações de varejo, por muito tempo retardatárias no setor. Ainda que o banco esteja tentando se concentrar em clientes urbanos de patrimônio elevado, em todo o mundo, também espera atrair depósitos de clientes mais jovens que possam ser atendidos online a baixo custo.

O Citigroup não está sozinho, segundo analistas.

"O interesse quanto a isso é imenso", disse o analista Ron Shevlin, da consultoria Aite Group. Um relatório do Aite Group em fevereiro constatou que metade dos bancos norte-americanos pesquisados estavam estudando alguma forma de produto de PFM.

O Bank of America e a PNC Financial Services dispõem de algumas das ferramentas mais avançadas entre os grandes bancos de varejo, disse o analista Mark Schwanhausser, da consultoria Javelin Strategy and Research.

Devido à sua rede de agências comparativamente limitada nos EUA, faz sentido que o Citigroup adquira uma companhia de PFM, de acordo com analistas. O banco quer elevar os recursos obtidos via depósitos, o que propicia fundos de maneira mais confiável que o mercado de títulos. Mas obter mais depósitos historicamente exigiria instalar ou adquirir novas agências, duas tarefas dispendiosas.

Conquistar clientes jovens sem abrir agências pode ajudar o Citigroup a compensar a baixo custo o fato de que dispõe de apenas mil agências na América do Norte, ante cinco mil para o JPMorgan Chase e 6,6 mil para o Wells Fargo.