Telefónica vence batalha por Vivo

quarta-feira, 28 de julho de 2010 14:51 BRT
 

Por Elisabeth O'Leary

MADRI (Reuters) - A espanhola Telefónica finalmente conseguiu vencer sua batalha para ampliar sua presença no mercado brasileiro, elevando mais uma vez sua oferta pela participação da Portugal Telecom na Vivo para 7,5 bilhões de euros.

O desfecho bem-sucedido para o chairman da Telefónica, Cesar Alierta, torna o grupo espanhol o maior em telecomunicações no Brasil, com 69,2 milhões de clientes e receita de 11,8 bilhões de euros em 2009.

Em outro anúncio, a Portugal Telecom fechou acordo com a brasileira Oi que assegura a continuidade da empresa portuguesa no Brasil.

Investidores disseram que o acordo com a Vivo oferece claras perspectivas de crescimento e põe fim às incertezas que vinham pressionando as ações da Telefónica desde que a disputa pelo controle da operadora móvel começou cerca de dois meses atrás.

As ações da Telefónica na bolsa de Madri exibiam alta de 0,71 por cento às 11h41 (horário de Brasília), enquanto o índice de empresas de telecomunicações europeias mostrava variação negativa de 0,14 por cento.

Agora, o acordo sobre a Vivo tem a bênção de Lisboa, que semanas atrás usou sua "golden share" na Portugal Telecom para proibir o negócio com a Telefónica.

A Telefónica começou oferecendo 5,7 bilhões de euros pela fatia da Portugal Telecom na Vivo e já tinha elevado o valor para 6,5 bilhões e depois para 7,15 bilhões de euros. A oferta vitoriosa de 7,5 bilhões de euros é 31,6 por cento superior à inicial.

Para o grupo espanhol, que unificará a Telesp --sua operadora fixa no Estado de São Paulo-- com a Vivo, a operação garante poder de fogo para competir num mercado em que há cada vez mais ofertas combinadas de serviços de telecomunicações. O Brasil era o único país em que a Telefónica atuava e não tinha operações integradas de telefonia fixa e móvel.   Continuação...

 
<p>Sede da Vivo em S&atilde;o Paulo. A espanhola Telef&oacute;nica finalmente conseguiu vencer sua batalha para ampliar sua presen&ccedil;a no mercado brasileiro, elevando mais uma vez sua oferta pela participa&ccedil;&atilde;o da Portugal Telecom na Vivo para 7,5 bilh&otilde;es de euros.30/06/2010.REUTERS/Nacho Doce</p>