LG tem resultado abaixo do esperado no 2o tri

quarta-feira, 28 de julho de 2010 14:58 BRT
 

Por Miyoung Kim

SEUL (Reuters) - A LG Electronics, segunda maior fabricante mundial de TVs, enfrenta mais pressão para melhorar seu negócio de celulares depois que seus resultados ficaram aquém das estimativas com 90 por cento de queda no lucro trimestral.

Com a Apple e Samsung Electronics lançando novos modelos no lucrativo setor de smartphones, a unidade de celulares da LG está ficando para trás. Além disso, a empresa também enfrenta problemas com quedas nas margens na divisão de TVs por conta do euro fraco e crescente concorrência.

"O que a LG mais precisa é um modelo de smartphone que seja um sucesso para dar uma virada nos negócios e investidores terão de esperar outros seis meses para ver se a LG está conseguindo melhorar", afirmou Cha Kyung-jin, gestor de fundos na Golden Bridge Asset Management.

No segundo trimestre a LG registrou um lucro operacional de 126 bilhões de wons (106,6 milhões de dólares) contra 1,24 trilhão de wons um ano antes. A estimativa feita pela Reuters com 12 analistas era de ganho de 210 bilhões de wons.

A LG está atrás da Nokia e da Samsung em celulares e concorre com a Sony e Panasonic em televisores.

O prejuízo no setor de celulares foi de 120 bilhões de wons e alertou para um prejuízo parecido no atual trimestre.

A LG está apostando no sistema operacional Android, do Google, e vai lançar um smartphone compatível com a plataforma ainda neste trimestre no mundo via 120 operadoras.

"Acreditamos que o mercado de smartphones vai se tornar um mercado de massa e nossa estratégia é aumentar a participação primeiro com modelos médios como a linha Optimus que estamos planejando lançar neste trimestre", disse o vice-presidente financeiro da LG, Jung Do-hyun, a analistas.

"Nossos negócios com celulares vão continuar a experienciar dificuldades no terceiro trimestre e devem começar a se recuperar no final do quarto trimestre", acrescentou.

A companhia informou que na área de televisores as margens de lucro foram achatadas a 0,5 por cento no último trimestre ante 5,9 por cento um ano antes.