Estoque do Kindle, da Amazon, acaba e analista prevê nova versão

quarta-feira, 28 de julho de 2010 16:36 BRT
 

Por Alexandria Sage

SAN FRANCISCO (Reuters) - A Amazon.com anunciou que o seu leitor eletrônico Kindle, um sucesso de vendas, está com os estoques esgotados, o que levou um analista da Internet a presumir que a companhia de varejo online esteja a ponto de lançar uma nova versão.

Em seu site, na quarta-feira, a maior empresa mundial de varejo na Web postou uma notificação de "estoques temporariamente esgotados" junto ao anúncio do Kindle, o muito comentado leitor eletrônico vendido por 189 dólares que a Amazon informa ser o produto mais procurado em seu site.

Jim Friedland, analista da Cowen & Co. que publicou uma nota aos clientes de sua empresa intitulada "O Kindle 3 está para ser lançado?", afirmou que diversas pistas, entre as quais a notificação quanto a estoques esgotados, apontam para a chegada da terceira geração do Kindle.

"A única ocasião em que vimos esse tipo de mensagem foi logo antes do lançamento de uma versão atualizada do Kindle," disse Friedland à Reuters. "Existem razões demais para supor que o Kindle 3 esteja chegando."

Outras pistas, disse, incluem a disponibilidade de chips mais rápidos e baratos que melhorariam o tempo de resposta do aparelho, e comentários em blogs no sentido de que a Amazon estaria reduzindo os pedidos das telas atualmente utilizadas no aparelho.

A Amazon não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Friedland previu que a chance de que o problema de estoque tenha sido causada por demanda adicional pelo Kindle devido ao recente corte de preços, de 259 para 189 dólares, é de apenas 20 por cento.

Friedland disse não antecipar mudanças no preço de 189 dólares, e nem que qualquer nova versão venha a ser "revolucionária."

"Eles continuarão a desenvolver uma versão melhor do que a atual," disse Friedland, apontando que uma tela mais leve, durável e possivelmente dobrável, bem como colorida, estava no horizonte.

"Nosso tema é de que o Kindle vai se tornar mais barato, leve e rápido," disse Friedland, que recomenda a compra de ações da Amazon.