Conselheiros da HP são processados após renúncia de presidente

sexta-feira, 13 de agosto de 2010 12:17 BRT
 

Por Jonathan Stempel

NOVA YORK, 13 de agosto (Reuters) - Os conselheiros da Hewlett-Packard estão sendo processados por um fundo de pensões de Massachusetts que alega terem violado seus deveres fiduciários, em conexão com a abrupta renúncia do presidente-executivo Mark Hurd.

O processo acusa os conselheiros de não terem revelado adequadamente a existência de um inquérito interno sobre as atividades de Hurd, de não terem "fiscalizado o uso de informações privilegiadas para fins de ganho" por executivos da companhia e de terem tentado conceder a Hurd dezenas de milhões de dólares em indenização rescisória à qual não tinham direito.

"A HP perdeu credibilidade em grau significativo," de acordo com o processo aberto pelo Brockton Contributory Retirement System na terça-feira, junto ao tribunal superior do condado de Santa Clara, na Califórnia.

Hurd renunciou como presidente-executivo e do conselho depois que a investigação constatou que ele teria falsificado relatórios de despesas a fim de encobrir um relacionamento com uma consultora de marketing. A investigação também examinou alegações de assédio sexual, mas determinou que não tinham fundamento.

Michael Holston, diretor jurídico da HP, concluiu que Hurd havia demonstrado "profunda falta de julgamento, o que derrubou seriamente sua credibilidade."

O valor de mercado da companhia caiu em cerca de 14,4 bilhões de dólares desde que a renúncia de Hurd foi anunciada, no dia 6 de agosto, depois do fechamento dos mercados. A queda chegou aos 8,6 bilhões de dólares na segunda-feira subsequente ao anúncio, de acordo com dados da Reuters.

A empresa e o escritório de advocacia em Connecticut que representa o fundo de pensões não responderam de imediato a pedidos de comentários.