Wikileaks mostra texto da CIA sobre terroristas norte-americanos

quarta-feira, 25 de agosto de 2010 19:32 BRT
 

Por Phil Stewart

WASHINGTON (Reuters) - O WikiLeaks divulgou nesta quarta-feira um memorando confidencial da CIA que alerta para as consequências negativas para a imagem dos Estados Unidos caso o país passe a ser visto como "exportador de terroristas", devido ao interesse da Al Qaeda em recrutar cidadãos norte-americanos.

O documento da chamada "Célula Vermelha" da CIA é o mais recente texto secreto a ser publicado no site da organização criada para vazar informações confidenciais, que no mês passado publicou mais de 70 mil documentos secretos do exército norte-americano sobre a guerra no Afeganistão.

O WikiLeaks ameaça publicar outros 15 mil documentos da CIA, apesar das críticas do Pentágono de que o vazamento das informações põe a vida das fontes em perigo e expõe métodos de coleta de informações ao inimigo.

O memorando de três páginas divulgado nesta quarta-feira não parece expor nenhum segredo de Estado. Uma autoridade do governo norte-americano teria dito que não era nada demais e, de fato, os relatórios da "Célula Vermelha" servem para gerar reflexão, e não fornecer uma avaliação oficial.

Mas o documento trata de uma questão sensível, que é o possível impacto sobre os EUA se seus aliados o vissem como um país com cidadãos que operam como terroristas em outras nações.

O relatório afirma que os EUA poderiam perder influência sobre seus aliados para convencê-los a cooperar no combate ao terrorismo --especialmente em se tratando de "atividades extra-judiciais". Governos estrangeiros poderiam até tentar tirar secretamente do país cidadãos norte-americanos suspeitos de terrorismo no exterior.

"Em primeiro lugar, precisamos nos preocupar com a Al Qaeda infiltrando seus membros nos EUA para promover ataques terroristas, mas a Al Qaeda também pode estar cada vez mais procurando cidadãos norte-americanos para agir no exterior", segundo o documento.

"Sem dúvida, a Al Qaeda e outros grupos terroristas reconhecem que cidadãos norte-americanos podem ser ótimos recursos em operações terroristas no exterior."