Celulares do futuro lerão humor do usuário, diz guru da Intel

quinta-feira, 16 de setembro de 2010 13:09 BRT
 

Por Noel Randewich

SAN FRANCISCO (Reuters)- Celulares ultrainteligentes que reagirão aos humores do usuário e televisores que serão capazes de dizer se o espectador está assistindo serão parte de nosso futuro, de acordo com o principal guru de tecnologia da Intel, que está trabalhando com computação contextual.

Justin Rattner, vice-presidente de tecnologia da Intel, apareceu com meias dotadas de sensores, no Intel Develop Forum, um evento anual da empresa em San Francisco, a fim de demonstrar como os aparelhos pessoais no futuro oferecerão conselhos que irão bem além de recomendações de restaurantes e que novas canções baixar.

"De que maneira mudar o relacionamento de modo a que pensemos nesses aparelhos não como produtos, mas como assistentes ou até mesmo companheiros?", indagou.

Aparelhos portáteis poderiam combinar técnicas de localização geográfica de uso já comum a dados de microfones, câmeras, monitores cardíacos e corporais e até ressonâncias cerebrais a fim de oferecer aos seus proprietários conselhos que hoje só um amigo ou parente é capaz de propiciar.

"Imagine um aparelho que empregue diversas modalidades de sensores a fim de determinar o que você está fazendo a cada instante, de dormir em sua cama a sair para uma corrida com um amigo", disse Rattner. "Os aparelhos do futuro receberão informações constantes sobre quem você é, de que maneira vive, se diverte e trabalha."

Rattner também demonstrou um controle remoto para televisor que sabe quem o está segurando com base na maneira pela qual a pessoa o tem nas mãos, e em seguida descobre as preferências de entretenimento do telespectador.

Líder mundial dos microchips para servidores e computadores de mesa já há décadas, a Intel está se apressando a fim de recuperar o atraso no lucrativo mercado de celulares inteligentes, tais como o Apple iPhone e o BlackBerry, da Research in Motion.

Celulares com e-mail, sensores de posicionamento global e players de mídia mostram o caminho para um futuro no qual cada vez mais funções serão integradas a aparelhos portáteis cada vez menores.