LG nomeia novo presidente em meio à fraqueza em celulares

sexta-feira, 17 de setembro de 2010 12:23 BRT
 

Por Miyoung Kim e Hyunjoo Jin

SEUL, 17 de setembro (Reuters) - A sul-coreana LG Electronics afastou seu presidente-executivo nesta sexta-feira, substituindo-o por um membro da família fundadora da companhia em uma tentativa de recuperar a deficitária divisão de celulares da empresa.

Koo Bon-joon, diretor da trading LG International, vai assumir a vaga de Nam Young, que renunciou ao cargo assumindo responsabilidade por uma gestão mal conduzida, informou a LG nesta sexta-feira.

Nam é o segundo presidente-executivo de uma grande fabricante de celulares a perder o emprego em uma semana depois que a Nokia, maior companhia do setor, anunciou na sexta-feira passada a substituição de Olli-Pekka Kallasvuo por Stephen Elop, executivo da Microsoft.

Tanto LG quanto Nokia têm estado sob pressão por causa da falta de modelos atraentes de celulares inteligentes capazes de rivalizar com o iPhone, da Apple, e o Galaxy, da Samsung.

A divisão de celulares da LG divulgou prejuízo recorde no trimestre passado e alertou para perda semelhante no atual período.

"Koo deve reestruturar a organização e acompanhar ativamente a indústria de TI... A LG deve reduzir a distância em relação à Apple e outras fabricantes líderes do segmento de smartphones", disse Lee Young-jik, gestor de fundos na AIG Investments, em Seul.

A LG não produziu um modelo de sucesso para competir com o iPhone ou celulares com o sistema Android produzidos por Samsung, HTC e Motorola, e seus modelos até agora têm se mostrado muito fracos para cobrir custos.

A unidade de celulares do grupo, que já foi responsável por um terço das vendas da LG, representou um quarto da receita do segundo trimestre e sofreu prejuízo recorde de 120 bilhões de wons.   Continuação...

 
<p>Foto de arquivo de Koo Bon-joon, em Seul. A sul-coreana LG Electronics afastou seu presidente-executivo nesta sexta-feira, substituindo-o por um membro da fam&iacute;lia fundadora da companhia em uma tentativa de recuperar a deficit&aacute;ria divis&atilde;o de celulares da empresa.08/01/2009.REUTERS/Jun Jin-hwan/Newsis/Files</p>