Novos satélites devem revigorar setor de navegação

quarta-feira, 29 de setembro de 2010 13:08 BRT
 

Por Tarmo Virki

HELSINQUE (Reuters) - Um sistema de satélites russo está na dianteira entre os diversos rivais que poderiam expandir o uso da navegação via satélite para além dos serviços de mapeamento e de orientação a motoristas, substituindo satélites norte-americanos envelhecidos.

A Rússia vem desde 1976 desenvolvendo o Glonass, sua resposta ao Global Positioning System (GPS), liderado pelos Estados Unidos. Depois de investir 2 bilhões de dólares no sistema nos últimos 10 anos, os russos estão agora nos estágios finais de implementação, e ele deve estar em plena operação antes do final deste ano.

"A partir de 2012, graças ao lançamento de satélites adicionais em 2010 e 2011, é provável que o Glonass ofereça serviço comparável ao do GPS", disse Frederic Brunetau, diretor-executivo do Ptolemus Consulting Group.

Ele informou que o Glonass será provavelmente a tecnologia de melhor desempenho por dois a quatro anos, a partir de 2014, até o lançamento da rede europeia Galileo, dada a expectativa de uma degradação na qualidade do GPS.

"O Glonass está pronto para brilhar. No entanto, manterá sua vantagem por apenas alguns anos", disse Bruneteau.

Os analistas disseram que os fabricantes mundiais de chips estão prontos a incluir o Glonass e outras novas tecnologias europeias, bem como tecnologias da China e Índia, que estão trabalhando no desenvolvimento de redes próprias de satélites de posicionamento.

Os governos que estão bancando os novos satélites também desejam reduzir sua dependência do sistema GPS --operado pela Força Aérea dos EUA-- e as dezenas de satélites que serão lançados tornarão mais fácil e preciso identificar uma posição.

Harold Goddijn, presidente-executivo da TomTom, fabricante holandesa de aparelhos de navegação via satélite, disse que os novos satélites podem estimular o uso de sistemas de posicionamento em novas áreas, tais como segurança aérea ou sistemas rodoviários.

"Reconheço que as pequenas melhoras graduais de certas tecnologias podem conduzir a usos completamente novos para elas. Às vezes, é uma pequena mudança nova que permite alterar todo o equilíbrio", afirmou Goddijn à Reuters.