Cubanos ficam para trás na revolução da informação, diz pesquisa

quinta-feira, 30 de setembro de 2010 15:21 BRT
 

Por Marc Frank

HAVANA (Reuters) - Os cubanos continuam extraordinariamente isolados da tecnologia da informação, com apenas 2,9 por cento deles reportando uso regular de Internet e 5,8 por cento uso regular de e-mail, de acordo com pesquisa governamental divulgada na quinta-feira.

Apenas 2,6 por cento dos entrevistados afirmaram usar celulares regularmente, de acordo com pesquisa do Serviço Nacional de Estatística (Onecu), postada em seu site.

O serviço de estatísticas conduziu entrevistas em 38 mil domicílios e constatou que quase todos os usuários acessam a Internet no trabalho ou na escola, porque poucos deles contam com acesso domiciliar.

O acesso à Internet no país comunista é severamente restrito e os usuários precisam obter autorização do governo.

O fracasso de Cuba quanto a modernizar suas telecomunicações é uma das maiores queixas dos cidadãos com menos de 50 anos de idade, que mencionam esse fator como um dos motivos para que desejem emigrar.

As autoridades revolucionárias de Cuba atribuem a culpa por seu isolamento tecnológico principalmente ao embargo comercial dos Estados Unidos contra a ilha.

O sumário estatístico do governo para 2009 reportou que o país tem 1,6 milhão de usuários de Internet, ou 14,2 por cento da população, mas na maioria dos casos eles usam uma intranet controlada pelo governo com acesso restrito à World Wide Web.

O uso da Internet em Cuba é inferior ao de boa parte do mundo e ao de todos os países vizinhos.   Continuação...