ANÁLISE-Ação da TIM é preferida no momento; Vivo ganhará terreno

sexta-feira, 1 de outubro de 2010 17:47 BRT
 

Por Rodolfo Barbosa

SÃO PAULO (Reuters) - As incertezas que ainda permeiam a finalização das recentes trocas de posições na Vivo e na Oi deixam espaço para as ações da TIM Participações serem as preferidas no curto prazo por analistas que acompanham o setor de telecomunicações no Brasil.

Mas o cenário tende a mudar à medida que as convergências de tecnologias fixas e móveis começarem a mostrar resultados.

Em resumo, aquilo que adiante será uma desvantagem para a TIM hoje coloca a empresa controlada pela Telecom Italia em posição superior. A TIM é a única das grandes do setor listadas em bolsa mais concentrada em celular, segmento que mais cresce na telefonia.

"Apesar de vermos um maior potencial de alta para a Vivo, no curto prazo preferimos a TIM, cujo desempenho dos papéis deve estar mais relacionado à melhora dos resultados do que a Vivo, que deve seguir volátil até o fim de sua integração com a Telesp", escreveu em relatório o analista Luis Azevedo, do Bradesco.

De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a TIM foi a operadora que teve em agosto o maior avanço em número de assinantes de telefonia móvel e participação de mercado.

"O motivo é que outras empresas provavelmente se focam na consolidação de seus ativos, dando à TIM a oportunidade de aumentar sua fatia", apontou o analista James Rivett, do Citi.

No início desta semana, a espanhola Telefónica pagou a primeira parcela da compra da fatia da Portugal Telecom na Vivo, de 4,5 bilhões de euros. A Telefónica pretende unir Vivo e Telesp, concessionária fixa em São Paulo, criando a maior operadora do Brasil em clientes e receita.

Ao mesmo tempo em que saiu da Vivo, a Portugal Telecom acertou sua entrada no capital da Oi, que usará a injeção de capital novo para reduzir sua alavancagem decorrente da aquisição da Brasil Telecom. Como a Telefónica, a Oi será uma operadora integrada com oferta de serviços múltiplos de telecomunicações.   Continuação...