Microsoft espera enterrar iPhone e Android

segunda-feira, 4 de outubro de 2010 07:35 BRT
 

Por Bill Rigby

SEATTLE (Reuters) - No mês passado, algumas centenas de funcionários da Microsoft promoveram um enterro simbólico para o iPhone na sede da companhia em Redmond, nos Estados Unidos.

A reunião bizarra, que se transformou em imitação do clipe Thriller, de Michael Jackson, marcou a conclusão do sistema operacional Windows Phone 7 e mostrou a intensidade do desejo da Microsoft em renascer no competitivo mercado de telefonia celular.

O novo sistema, que será publicamente revelado em 11 de outubro e deve estar presente em celulares que serão comercializados a partir de novembro, é a última chance da Microsoft, dizem alguns analistas, de alcançar a Apple e o Google, depois que a gigante do software perdeu espaço no setor nos últimos anos.

Um grupo de fabricantes de celulares, incluindo a Samsung e a HTC, deve lançar aparelhos baseados no novo sistema da Microsoft a tempo da temporada de comparas de fim de ano.

Mas analistas têm dúvidas se esses produtos serão bons o bastante para tornar o iPhone obsoleto.

"O produto não pode ser algo que todo mundo já tem no mercado", disse Bryan Keane, analista da Alpine Mutual Funds, que detém ações da Microsoft. "Agora, não é aparente que o Windows 7 vai ser melhor que qualquer coisa que está por aí, com exceção de, talvez, ter uma integração melhor com a plataforma Windows atual."

O próprio presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, admite que a companhia "perdeu uma geração" com o Windows Mobile, o último sistema operacional da companhia para celulares. Esse sistema acabou sendo superado pelas plataformas iPhone e Android, que passaram a equipar dispositivos com telas sensíveis a toque e capazes de executar novos aplicativos.

A Microsoft agora é a quarta maior fornecedora de sistema operacional para celulares inteligentes nos Estados Unidos, com uma participação de menos de 12 por cento, segundo a empresa de pesquisa de mercado comScore, atrás do BlackBerry, Apple e Google.   Continuação...