Guru de software que está deixando Microsoft prevê mundo pós-PC

terça-feira, 26 de outubro de 2010 10:56 BRST
 

Por Bill Rigby

SEATTLE, Estados Unidos(Reuters) - O vice-presidente de softwares da Microsoft, que está deixando a empresa, incentivou a companhia a abandonar suas raízes no Windows e Office para imaginar um mundo "pós-PC", de aparelhos simples e globais conectados à Web.

Cinco anos depois que Ray Ozzie estabeleceu sua presença com um memorando sobre software como serviço via Internet, encarado como o manifesto da Microsoft em favor da "computação em nuvem" e do software como serviço, ele voltou a encorajar a gigante do software a conceber o futuro como um tempo em que a simplicidade será essencial.

O apelo emotivo de Ozzie surgiu em companhia de um momento que alguns analistas definem como decisivo para a Microsoft: em novembro, os primeiros modelos de uma geração de celulares inteligentes equipados com seu sistema operacional chegarão às lojas, em uma tentativa tardia da companhia de recuperar posição no mercado de aparelhos de comunicação sem fio.

"Vamos celebrar esse marco dos cinco anos voltando a abraçar sem medo aquilo que se tornou tecnologicamente inevitável", afirmou Ozzie em uma mensagem publicada em seu blog pessoal e dirigida aos executivos da Microsoft e aos seus subordinados diretos.

"Os próximos cinco anos trarão novo ponto de inflexão, uma transformação que de novo resultará em oportunidades sem precedentes para nossa empresa e nosso setor, catalisada por uma grande e inevitável mudança nos aplicativos e infraestrutura que está começando de verdade apenas agora."

Será um mundo, argumentou Ozzie, no qual os usuários terão acesso permanente a serviços de software por meio de "aparelhos que serão em grande medida concebidos como eletrodomésticos. Eles poderão ser usados instantaneamente e serão intercambiáveis e poderão ser substituídos de maneira trivial, sem perdas."

A mensagem de Ozzie, que anunciou que se aposentaria na Microsoft na semana passada, tem por objetivo preparar a empresa, que ficou para trás do Google e da Apple no setor de celulares e computadores tablet, e foi surpreendida por fenômenos como a rede social Facebook.

"Feche os olhos e forme uma imagem realista de como será um mundo pós-PC, caso ele venha de fato a surgir", escreveu Ozzie no texto publicado na segunda-feira. "Quem for capaz de divisar um futuro plausível e mais brilhante que o presente, terá a oportunidade de liderar."   Continuação...