SAP questiona Oracle; Apotheker fica ausente de julgamento

terça-feira, 9 de novembro de 2010 11:27 BRST
 

Por Dan Levine e Gabriel Madway

OAKLAND, Estados Unidos, 9 de novembro (Reuters) - O presidente-executivo da Oracle, Larry Ellison, testemunhou que o roubo de software pela SAP custou 4 bilhões de dólares à sua empresa, dobrando a estimativa anterior, mas sem entregar qualquer evidência escrita que comprovasse a acusação.

Os advogados da SAP imediatamente contestaram Ellison e pediram que ele mostrasse provas sobre o novo número, mas o homem mais rico do Vale do Silício declarou que desconhecia documentos capazes de provar o custo em termos de negócios perdidos por sua empresa. A alemã SAP alega que deve à Oracle no máximo algumas dezenas de milhões de dólares.

A principal testemunha da Oracle teve comportamento incomumente discreto no tribunal, na segunda-feira, deixando de lado uma retórica pública ocasionalmente calorosa.

Ellison tampouco produziu provas de sua alegação pública anterior no sentido de que Leo Apotheker, o novo presidente-executivo da Hewlett-Packard, estava ciente do roubo quando dirigia a SAP e nada fez a respeito até que a Oracle abrisse o processo.

Uma fonte informou à Reuters que a Oracle havia contratado detetives particulares para localizar Apotheker para que ele fosse intimado a comparecer ao julgamento.

Ellison, usualmente bastante comunicativo, deixou o tribunal na segunda-feira sem conversar com os jornalistas.

David Boies, que comanda os advogados da Oracle no julgamento, disse do lado de fora do tribunal que seria importante o júri ouvir Apotheker pessoalmente e que por isso seria "apropriado" tentar localizar o presidente-executivo da HP. Boies se recusou a discutir detalhes específicos sobre como a Oracle está conduzindo essas buscas.

"Quanto mais detalhes mencionarmos em público, menor a chance de localizá-lo", disse.   Continuação...