PlayBook, da RIM, atrai interesse de empresas

sexta-feira, 19 de novembro de 2010 10:55 BRST
 

Por Alastair Sharp

TORONTO (Reuters) - Se tudo correr de acordo com os planos da Research in Motion, o tablet PlayBook vai conseguir barrar a erosão do domínio da companhia sobre o mercado de celulares inteligentes usados por empresas, oferecendo controle a uma audiência para qual a segurança é uma preocupação central.

A RIM, cujo BlackBerry vem sendo há muito um companheiro essencial para os executivos, aposta no interesse das empresas à medida que se prepara para distribuir um pequeno número de unidades do tablet a clientes selecionados, antes do final do ano.

"Quando você está transmitindo informações delicadas sobre os nossos clientes, a prioridade número um é essa: garantir que tenhamos os melhores protocolos de segurança", disse Tom Reid, vice-presidente da Sun Life Financial, que planeja pedido inicial de entre 500 e mil aparelhos.

A seguradora canadense, que tem 44 bilhões de dólares canadenses (43 bilhões de dólares) sob gestão, diz que usará os aparelhos para oferecer um método seguro de inscrever os funcionários de clientes em seus planos de aposentadoria.

A divisão canadense da ING está desenvolvendo um aplicativo bancário dirigido a consumidores usuários do PlayBook e considera usar o aparelho, que tem tela de 7 polegadas, como substituto de laptops.

"Caso a RIM cumpra o prometido, conexão fácil e imediata à infraestrutura existente, poderíamos atender a uma necessidade de negócios com grande rapidez e sem grandes investimentos", disse Charaka Kithulegoda, vice-presidente de informática da divisão.

A RIM revelou o PlayBook, dotado de tela sensível a toques, em setembro. Mas o aparelho, possível concorrente do Apple iPad, só chegará às lojas em 2011 e perderá a movimentada temporada de compras de fim natalinas.

Analistas estimam que a RIM deverá vender entre 2 milhões e 4 milhões de unidades do PlayBook no ano fiscal de 2012, que começa no final de fevereiro de 2011.