Reino Unido se concentra na criação de "ciberarmas"

quinta-feira, 25 de novembro de 2010 18:54 BRST
 

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido está investindo mais esforços no conhecimento e desenvolvimento de "armas" para a ciberguerra do que qualquer oura área militar, afirmou o chefe das forças armadas do país, David Richards.

"É, de fato, uma grande prioridade para nós", disse Richards.

"Com outras nações alinhadas na Otan, por exemplo, estamos expandindo de forma mais ativa nosso conhecimento e armas nesta área que em qualquer outra", disse o comandante ao responder perguntas do público em seu primeiro discurso público desde que se tornou Chefe de Defesa.

O Reino Unido anunciou no mês passado que irá investir mais 650 milhões de libras (1 bilhão de dólares) em cibersegurança após um novo relatório de Estratégia de Segurança Nacional destacar a área como uma das principais ameaças ao país.

A questão ganhou destaque em setembro, quando especialistas em segurança sugeriram que o vírus Stuxnet, que ataca um sistema industrial muito usado por diversas companhias, teria sido criado pelo governo de algum país para atacar usinas nucleares no Irã.

No mês passado, o chefe da agência de espionagem em comunicações do Reino Unido também alertou que outros países já estavam usando cibertecnologia para atacar uns aos outros.