Derrubado nos EUA, WikiLeaks recorre a endereço suíço

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010 17:36 BRST
 

Por Georgina Prodhan

PARIS (Reuters) - O WikiLeaks está direcionando seus leitores para um endereço de Internet na Suíça, depois de ser tirado do ar por dois provedores norte-americanos em dois dias, e de a França ter tentado proibir servidores do país de abrigarem as informações sigilosas do site.

Os usuários estão sendo desviados para o site www.wikileaks.ch, depois de o wikileaks.org, que havia publicado comunicações diplomáticas secretas dos EUA, ter ficado cerca de seis horas fora do ar.

Os sites www.wikileaks.nl (da Holanda) e www.wikileaks.de (da Alemanha) também estão permitindo acesso aos documentos vazados.

A empresa EveryDNS.net, que ajuda os computadores a localizarem os sites de seus membros, disse ter parado de prestar serviços ao WikiLeaks à 1h de sexta-feira (hora de Brasília).

O WikiLeaks estava usando a EveryDNS e servidores da Europa depois que a Amazon.com, que era o provedor original, tirou o site do ar, na quinta-feira.

A EveryDNS.net disse que tirou o site do ar porque ele estava sendo bombardeado por hackers, e que isso prejudicava outros clientes da empresa.

O governo dos EUA está furioso com o vazamento de mais de 250 mil comunicações sigilosas do Departamento de Estado pelo WikiLeaks, que revelam as engrenagens da diplomacia norte-americana e causaram constrangimentos a Washington, por conterem avaliações brutalmente francas de diplomatas a respeito de aliados e rivais do país.

A Amazon negou que tenha tirado o site do ar por pressão de políticos. Alegou que o WikiLeaks violou os termos do serviço por não ser o detentor dos direitos do conteúdo publicado. Mas, na terça-feira, o senador Joe Lieberman, presidente da Comissão de Segurança Doméstica do Senado, havia questionado a Amazon por sua ligação com o WikiLeaks, e pedido que outras empresas que hospedam sites boicotassem o WikiLeaks.   Continuação...