AOL considera divisão e posterior fusão com Yahoo, dizem fontes

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 10:05 BRST
 

Por Nadia Damouni

NOVA YORK (Reuters) - A AOL está passando por uma transformação radical para se tornar líder de conteúdo na Internet, e estuda fortemente uma divisão que envolveria, além de uma série de transações, a possível fusão com o Yahoo, disseram fontes próximas aos planos à Reuters.

Mas os planos, que estão em estágio inicial, podem incluir complicações devido ao grande número de envolvidos. Segundo as fontes, o Yahoo ainda não foi contatado.

Em muitos aspectos, as mais recentes discussões são decorrentes de planos contemplados em 2008 e 2009, antes da Time Warner promover a cisão da AOL sob o controle de seus acionistas.

Na ocasião, o conglomerado de mídia considerou a opção de dividir os dois principais negócios da AOL. O serviço de conexão discada à Internet seria separado ou vendido para a EarthLink ou United Online. Já o negócio de publicidade online do grupo seria fundido ao Yahoo, de acordo com as fontes.

Para evitar complicações, levar adiante seus planos e se livrar de um pesadelo que durou uma década, a Time Warner promoveu a cisão da AOL, em vez de encarar o pesado passivo tributário que estaria associado a uma divisão da empresa, disseram fontes.

A AOL continuou a estudar a possibilidade de se dividir desde a cisão realizada em dezembro de 2009. "Os pedaços da empresa poderiam ser vendidos a pessoas dispostas a pagar montantes elevados por eles e, com isso, seria criado valor, ou seriam estabelecidos como empresas independentes," disse uma das fontes.

"A estratégia depende dos compradores identificados para essas fatias," entre os quais Yahoo e EarthLink, cujo direcionamento mudou desde que a Time Warner começou a considerar esses planos, segundo uma das fontes.

O EarthLink, por exemplo, no passado tinha disposição e capacidade para adquirir a área de conexões discadas da AOL. Mas fechou acordo para a aquisição da DeltaCom, por 516 milhões de dólares, o que imobilizou a maior parte de sua reserva de caixa, tornando improvável que a empresa decida se envolver em outra transação de grande porte, por enquanto, disse outra fonte.