Intel espera tablets e celulares com seus chips em 2011

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 09:49 BRST
 

Por Noel Randewich

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - A Intel anunciou que está progredindo no esforço para incluir seus chips em computadores tablet, e que celulares inteligentes utilizando seus processadores serão colocados à venda no ano que vem. A companhia corre para recuperar atraso no mercado de dispositivos móveis, que vem crescendo rapidamente.

A empresa aposta que novos chips que serão lançados ano que vem vão revigorar seus negócios no segmento de aparelhos móveis em meio às vendas explosivas do tablet Apple iPad e dos celulares inteligentes acionados pelo sistema Google Android.

"Os produtos ao consumidor (tablets) serão lançados no primeiro semestre do ano que vem", disse Paul Otellini, presidente-executivo da Intel, em conferência com analistas.

Ele afirmou que fabricantes fecharam acordo para usar chips da Intel em 35 modelos de tablet, incluindo alguns que já estão no mercado. Otellini exibiu um slide que mostrou marcas como Dell, Asus, Lenovo e Toshiba.

Os chips Intel Atom dominam os netbooks, mas os fabricantes de tablets e de celulares inteligentes em geral os rejeitam em favor de processadores mais eficientes em termos de consumo de energia, fabricados com a arquitetura ARM por empresas como a Qualcomm e Marvell.

Os investidores vêm esperando para ver em que medida os grandes fabricantes escolherão chips da Intel para os tablets que serão lançados no ano que vem.

"A Intel está avançando na direção estratégica certa, mas ainda tem longo caminho a percorrer", disse Henry Susanto, analista da Gabelli & Company. "Chegaram atrasados. Não existe visibilidade clara quanto aos seus produtos."

Como prova da importância de ganhar espaço no mercado móvel, a fatia da Intel no mercado mundial de semicondutores caiu ligeiramente, para 13,8 por cento em 2010 ate 14,2 por cento no ano anterior, porque as vendas dos netbooks foram prejudicadas pelo desinteresse dos consumidores, de acordo com o grupo de pesquisa Gartner.