AU vê nova demanda por LCD;planeja nova operação na China

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010 11:11 BRST
 

Por Baker Li e Argin Chang

HSINCHU, Taiwan (Reuters) - O grupo taiwanês AU Optronics, quarto maior fabricante mundial de LCD, antecipa que o mercado mundial de telas saia do seu patamar mais fraco no primeiro trimestre do ano que vem, em meio à recuperação da economia mundial e com ajuda da demanda por modelos novos, como televisores 3D, que provavelmente elevará os preços das telas.

A AU também espera que sua nova fábrica de LCD comece a operar no segundo semestre de 2012, depois de receber aprovação dos governos da China e de Taiwan, o que pode abrir caminho à exploração do crescimento na demanda chinesa, que pode superar a América do Norte e fazer do país o maior consumidor mundial de televisores LCD, dentro de alguns anos.

"Em termos gerais, a economia está caminhando em uma direção que vemos como positiva", disse Paul Peng, vice-presidente da AU, durante a Reuters China Investment Summit.

"Estamos mais otimistas quanto ao ano que vem do que estivemos este ano", afirmou Peng em entrevista na sede da empresa.

"Existem alguns aplicativos e novas tecnologias que, em nossa opinião, poderão estimular a demanda. Os televisores 3D, por exemplo, vêm sendo fortemente promovidos", disse.

"O crescimento nos mercados emergentes também vem sendo muito rápido", afirmou. "Vendemos cerca de um terço de nossos paineis para TVs na China, e por isso vejo oportunidades lá", afirmou Peng, acrescentando que AU não descarta criar novas fábricas de telas na China, em 2011. Ele não mencionou possíveis parceiros.

Perguntado se o preço das telas subiria no primeiro trimestre, Peng respondeu que "existe a chance... Creio que os preços ficarão mais altos por algum tempo, no ano que vem".

O setor de LCD está atravessando seu mais recente período de aperto, e os fabricantes perderam parte de seu ímpeto devido a preocupações quanto à crise da dívida europeia e suas consequências para o investimento geral em tecnologia.

Ao mesmo tempo, os fabricantes asiáticos de telas de cristal líquido (LCD) estão correndo para estabelecer bases de produção na China.