AT&T enfrenta ano difícil com fim de exclusividade sobre iPhone

terça-feira, 11 de janeiro de 2011 13:32 BRST
 

Por Sinead Carew

NOVA YORK (Reuters) - Apenas 11 dias se passaram em 2011 e este já parece o ano mais difícil para a AT&T desde sua formação em 2004. A operadora deve perder os direitos exclusivos de venda do iPhone nos Estados Unidos.

Apesar da promessa da operadora de lançar 20 novos celulares avançados, todas as atenções se concentram na rival Verizon Wireless, a maior operadora de telefonia móvel norte-americana, que deve anunciar nesta terça-feira planos para começar a vender o iPhone, dentro de algumas semanas.

Os investidores na AT&T, segunda maior operadora de telefonia móvel dos EUA, venderam ações da empresa na segunda-feira, o que causou queda de 1,8 por cento nos papeis da companhia um dia antes da data antecipada para o anúncio da Verizon Wireless. A expiração do prazo põe fim aos mais de três anos de forte crescimento da AT&T por efeito das vendas do iPhone.

"Creio que a AT&T será demolida," disse Brian Marshall, analista da Gleacher & Co. que cobre a Apple.

Muitos analistas antecipam que a AT&T perca assinantes neste trimestre, já que não tem terá mais um incentivo poderoso e único para atrair usuários. A operadora também enfrenta problemas com a percepção de que sua rede sem fio não está bem equipada para lidar com o pesado volume de tráfego de dados gerado pelos usuários do iPhone.

Uma perda de assinantes no trimestre seria a primeira para a AT&T desde que a companhia foi criada, em 2004, pela fusão entre AT&T Wireless e Cingular Wireless. Algumas estimativas apontam para uma possível perda de até 3,5 milhões de assinantes neste ano.

A AT&T também enfrentará pressão adicional da Verizon Wireless, que deve oferecer aos seus novos usuários de iPhones os mesmos privilégios de que desfrutam todos os assinantes de seus serviços para celulares inteligentes: volume ilimitado de dados por um preço mensal fixo.

A AT&T irritou alguns clientes ao suspender a venda de planos com volume ilimitado de dados, em 2010.

As deserções devem ser minimizadas pela grande base de clientes com planos plurianuais ou familiares, cujas multas rescisórias tornam caro cancelar uma assinatura antes do prazo.