11 de Janeiro de 2011 / às 21:31 / em 7 anos

Ativistas do WikiLeaks querem impedir EUA de verem registros

Por Mark Hosenball

WASHINGTON (Reuters) - Dois importantes ativistas ligados ao WikiLeaks na Holanda e na Islândia estão consultando advogados dos EUA a respeito de maneiras para impedir que o Departamento de Justiça norte-americano tenha acesso a seus registros no Twitter, como parte de uma investigação sobre o vazamento de documentos diplomáticos secretos.

O ativista holandês Rop Gonggrijp, que trabalhou com o WikiLeaks no ano passado, disse que ele e a parlamentar islandesa Birgitta Jonsdottir querem revogar uma ordem judicial dos EUA, datada de 14 de dezembro, que obriga o Twitter a entregar a promotores norte-americanos os registros sobre a atividade deles no site.

As autoridades dos EUA estão investigando a publicação, iniciada no ano passado, de centenas de milhares de comunicações diplomáticas norte-americanas obtidas pelo site WikiLeaks, fundado pelo australiano Julian Assange.

A ordem judicial determina que o Twitter deve entregar a promotores federais da Virgínia todos os registros de contas criadas na rede social a partir de 1o de novembro de 2009 por Gonggrijp, Jonsdottir, Assange e Bradley Manning, um ex-analista de inteligência do Exército dos EUA, suspeito de ter obtido e entregue os documentos sigilosos.

Procurado pela Reuters, Gonggrijp disse que ficou sabendo da intenção do governo norte-americano de obter seu histórico do Twitter por meio de um e-mail enviado em 7 de janeiro pela administração do site.

Nessa mensagem, o Twitter dizia que iria atender à ordem em dez dias, caso não houvesse nenhuma outra decisão judicial ou ordem governamental em contrário.

Aden Fine, advogado da União Americana das Liberdades Civis, que está examinando a medida judicial, disse que o email do Twitter sugeria que o site ainda não havia entregado nenhuma informação aos promotores.

Mark Stephens, advogado britânico que trabalha para Assange, disse à Reuters que aparentemente nem Assange nem o WikiLeaks foram notificados pelo Twitter de que as autoridades dos EUA estavam solicitando seus registros.

No fim de semana, Jonsdottir escreveu no microblog que está buscando assessoria jurídica e que havia conversado com o ministro islandês da Justiça sobre o assunto.

E, em mensagens na segunda-feira pelo Twitter, ela disse que “o governo dos EUA está tentando criminalizar as denúncias e a publicação de material de denúncias.” A parlamentar não foi localizada para comentar.

Funcionários do Twitter disseram que não iriam se pronunciar.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below