Ataques a computadores podem criar "tempestade perfeita"--OCDE

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 10:21 BRST
 

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - Ataques a sistemas de computadores agora têm o potencial de causar catástrofes mundiais, mas apenas se ocorridos em combinação com outro desastre, afirmou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relatório publicado nesta segunda-feira.

O estudo, parte de um projeto mais amplo da OCDE para o estudo de "choques mundiais futuros", como uma possível quebra do sistema financeiro mundial ou uma pandemia de larga escala, aponta que existem poucos "eventos de computação" isolados capazes de causar um choque mundial.

Os exemplos citados pela OCDE incluem um ataque bem sucedido a um dos protocolos técnicos dos quais a Internet depende, ou uma grande erupção solar capaz de destruir componentes essenciais do sistema de comunicações, como os satélites.

Conforme a organização, no entanto, uma combinação de eventos como ataques a computadores coordenados ou um incidente como os citados acontecendo durante um desastre de outra natureza poderia constituir séria preocupação para as autoridades.

"Caso isso aconteça, há condições para uma 'tempestade perfeita,'" afirma o relatório escrito por Peter Sommer, da London School of Economics, e por Ian Brown, da Oxford University, na Inglaterra.

Os governos vêm enfatizando cada vez mais a importância da segurança na computação.

Os Estados Unidos estão se preparando para ciberconflitos e criaram um comando militar específico para isso. Em outubro do ano passado, o Reino Unido definiu ataques à computação como uma das mais graves ameaças externas e prometeu gastos adicionais de 650 milhões de libras voltados a essa questão.

Enquanto isso, há quem acredite que nações emergentes como China e Rússia vejam esse tipo de atividade como uma arena na qual seriam capazes de desafiar o domínio que os Estados Unidos mantêm em termos de poderio militar convencional.

O worm Stuxnet, que ataca sistemas de controle industrial e é visto por muitos como um ataque promovido por algum governo ao programa nuclear do Irã, foi considerado um sinal da crescente militarização do ciberespaço.